Arquivo

Archive for the ‘Sem Categoria (ainda…)’ Category

FACEBOOK

Caros (as) leitores (as)  .Pra quem quiser me conhecer, trocar ideias, fazer amizade etc, eis meu perfil no facebook:

http://www.facebook.com/earthon.flameshield

Aguardo voces lá!

O SONHO DE CARLOS

26/02/2011 3 comentários

Carlos era um jovem como qualquer outro, com a nítida diferença de que seu maior sonho não era ter posses, um emprego rentável ou até mesmo uma bela carreira profissional. Para ele, tais coisas, se tinham alguma importância, são meramente secundárias e não cabiam como prioridade em sua mente filosófica. O grande sonho de Carlos era simples: casar-se, ter uma companheira ao seu lado, unir-se a uma mulher, amá-la de verdade, dividir a vida com ela, comprometer-se com ela, fazer feliz a essa mulher…  Ele não era ingênuo, sabia que o casamento não é fácil e sim um grande edifício, cuja construção se estende pela vida inteira, mas estava disposto a encarar essa aventura. Ficou inspirado pelo que dizia Kierkegaard: “O casamento feliz é e continuará a ser a viagem de descoberta mais importante que o homem jamais poderá empreender”.

O fato é que Carlos tinha pouco mais de vinte anos e não havia tido uma namorada ainda. Embora as pessoas o considerassem bastante inteligente e até mais maduro do que a média dos jovens em sua idade, Carlos tinha um complexo de timidez e infantilidade em relação ao enigma do amor. De certa forma, tinha medo de encarar seus sentimentos e demonstrá-los. Carlos atraiu-se por uma menina de sua faculdade, mas não sabia como falar com ela. Ele não sabia o nome dela, nem o curso que ela fazia. Somente haviam especulações, teorias e raciocínios lógicos. Ele não queria aceitar o fato de que o amor está fora de toda e quaisquer razões humanas.

A mente de Carlos se ocupava muito em questões e temores como “serei capaz de fazer essa menina feliz ao meu lado?”, “conseguirei amá-la de verdade?” , “e se ela me rejeitar?”. Tinha lido a história dos grandes homens da humanidade, constatou que a maioria deles não foram bons pais ou bons companheiros para suas esposas, e ele não queria ser mais um na lista de pais e maridos fracassados. Enfim, eram questionamentos atrás de questionamentos e nenhuma ação concreta para com aquela menina.

Aproximaram-se as férias e ele não havia feito nada, ao contrário, havia perdido muitas chances de conversar com ela, criar uma boa amizade, saber o que ela pensa, quais os sonhos dela e tudo o mais. Quando ele a via, sentia  algo fluir dentro de si, mas não tinha certeza se era amor ou simplesmente mais uma paixonite como tantas outras. Quando as férias chegaram, surpreendeu-se muitas vezes a pensar nela… Queria leva-la para passear na praça, contemplar juntos a beleza do luar na praia, conversar sobre a vida e o futuro, presenteá-la com uma flor, escrever cartas e poemas ou até mesmo canções a ela, abraça-la nos momentos de alegria e festividade, consolá-la nos momentos de tristeza, proporcioná-la momentos que talvez jamais tenha experimentado… Mas eram simples pensamentos. Divagações e mais divagações de um jovem romântico…

Carlos tentou esquecê-la, comprimir esse sentimento até desaparecer, fugir disso tudo. Imaginou muitas coisas para armar um plano de fuga: que ela fosse casada  mas não usava aliança, que já tivesse um namorado, que ela se interessasse apenas por esses machões musculosos cheirando a testosterona,  que ela o achasse um débil mental, enfim, sua racionalidade acabou chegando a beira do irracional.

Mas nada disso adiantava, até porque eram fantasias de sua cabeça.

As aulas na faculdade recomeçam, ele a encontra novamente, sorri  para ela, ela lhe retribui. É hora de deixar a infantilidade emocional que tanto o perseguiu e assumir sua juventude. Hora de crescer e agir…

“Amor é verbo, não um substantivo.”, lembrou-se Carlos de um trecho de uma música que ouvira.

 

ZEITGEIST: MOVING FORWARD

Um superdocumentário que apesar de bem longo, vale a pena cada minuto…

Caso queira ver as propostas do Movimento Zeitgeist, clique aqui.

VALORIZE-SE!

13/11/2010 1 comentário

Amazing Grace – André Rieu

Pra quem tem cultura e gosta de uma boa música… :D

André Rieu em sua performance na música Amazing Grace de John Newton.

ESTRATÉGIAS PARA A MANIPULAÇÃO DAS MASSAS

marionete-2

1- A estratégia da diversão: Elemento primordial do controle social, a estratégia da diversão consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mutações decididas pelas elites políticas e econômicas, graças a um dilúvio contínuo de distrações e informações insignificantes. A estratégia da diversão é igualmente indispensável para impedir o público de se interessar pelos conhecimentos essenciais, nos domínios da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética.Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por assuntos sem importância real.

“Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar, voltado para a manjedoura com os outros animais” – extraído de Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas.
2- Criar problemas, depois oferecer soluções Este método também é denominado”problema-relação-solução”. Primeiro cria-se um problema, uma “situação” destinada a suscitar uma certa relação do público, a fim de que seja ele próprio a exigir as medidas que se deseja fazê-lo aceitar. Exemplo: deixar desenvolver-se a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público passe a reivindicar leis securitárias em detrimento da liberdade. Ou ainda: criar uma crise econômica para fazer como um mal necessário o recuo dos direitos sociais e desmantelamento dos serviços públicos.
3- A estratégia do esbatimento Para fazer aceitar uma medida inaceitável, basta aplicá-la progressivamente, de forma gradual, ao longo de 10 anos. Foi deste modo que condições sócio-econômicas radicalmente novas foram impostas durante os anos 1980 e 1990. Desemprego maciço, precariedade, flexibilidade, deslocalizações, salários que já não asseguram um rendimento decente, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se houvessem sido aplicadas brutalmente.
4- A estratégia do diferimento: Outro modo de fazer aceitar uma decisão impopular é apresentá-la como “dolorosa, mas necessária”, obtendo o acordo do público no presente para uma aplicação no futuro. É sempre mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro porque a dor não será sofrida de repente. A seguir, porque o público tem sempre a tendência de esperar ingenuamente que “tudo irá melhor amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Finalmente, porque isto dá tempo ao público para se habituar à idéia da mudança e aceitá-la com resignação quando chegar o momento. Exemplo recente: a passagem ao Euro e a perda da soberania monetária e econômica foram aceites pelos países europeus em 1994-95 para uma aplicação em 2001. Outro exemplo: os acordos multilaterais do FTAA (Free Trade Agreement of the Americas) que os EUA impuseram em 2001 aos países do continente americanos ainda reticentes, concedendo uma aplicação diferida para 2005.

5- Dirigir-se ao público como se fossem crianças pequenas A maior parte das publicidades destinadas ao grande público utilizam um discurso, argumentos, personagens e um tom particularmente infantilizadores, muitas vezes próximos do debilitante, como se o espectador fosse uma criança pequena ou um débil mental. Exemplo típico: a campanha da TV francesa pela passagem ao Euro (“os dias euro”). Quanto mais se procura enganar o espectador, mais se adota um tom infantilizante. Por quê?

“Se se dirige a uma pessoa como ela tivesse 12 anos de idade, então, devido à sugestibilidade, ela terá, com uma certa probabilidade, uma resposta ou uma relação tão destituída de sentido crítico como aquela de uma pessoa de 12 anos” – Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas.
6- Apelar antes ao emocional do que à reflexão Apelar ao emocional é uma técnica clássica para dar um curto-circuito na análise racional e, portanto, o sentido crítico dos indivíduos. Além disso, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para ali implantar idéias, desejos, medos, pulsões ou comportamentos.
7- Manter o público na ignorância e no disparate: Atuar de modo a que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para o seu controle e a sua escravidão. Estimular desejos absurdos por coisas inacessíveis, como sutiãs cravejados de diamantes e hotéis de sete estrelas com quartos banhados a ouro.

“A qualidade da educação dada às classes inferiores deve ser da espécie mais pobre, de tal modo que o fosso da ignorância que isola as classes inferiores das classes superiores seja e permaneça incompreensível pelas classes inferiores” – Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas.

8- Encorajar o público a comprazer-se na mediocridade: Encorajar o público a considerar “de acordo” o fato de ser idiota, vulgar e inculto.

9- Substituir a revolta pela culpabilidade: Fazer crer ao indivíduo que ele é o único responsável pela sua infelicidade, devido à insuficiência da sua inteligência, das suas capacidades ou dos seus esforços. Assim, ao invés de se revoltar contra o sistema econômico, o indivíduo se auto-desvaloriza e auto-culpabiliza,o que engendra um estado depressivo que tem como um dos efeitos a inibição da ação. E sem ação, não há revolução!
10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles se conhecem a si próprios: No decurso dos últimos 50 anos, os progressos fulgurantes da ciência cavaram um fosso crescente entre os conhecimentos do público e aqueles possuídos e utilizados pelas elites dirigentes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” chegou a um conhecimento avançado do ser humano, tanto física como psicologicamente. O sistema chegou a conhecer melhor o indivíduo médio do que este se conhece a si próprio. Isto significa que na maioria dos casos o sistema detém um maior controle e um maior poder sobre os indivíduos do que os próprios indivíduos.

———————————————-

Comentário de Renatim::

Como é fácil manipular as pessoas! Parece brincadeira, mas não é. E, a meu ver, as estratégias que mais funcionam são a manipulação por sugestão emocional (que inibe a pessoa de pensar, técnica muito utilizada em igrejas neopentecostais) e a manipulação pela antiga política do pão e circo (que também ocorre hoje no cenário evangélico brasileiro).

Bem disse o Senhor Jesus que a enganação dos nossos dias seria tanta que se não fosse pela misericórdia de Deus, ninguém se salvaria, nem mesmo os escolhidos…

Que Deus tenha misericórdia, afim de que nós não tropecemos pela enganação e manipulação de hoje!

PS.: Quem quiser mais informações, leia o interessantíssimo documento citado no texto: Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas

AS ORIGENS NORTE-AMERICANAS DO PENTECOSTALISMO BRASILEIRO

penteca1

Um artigo muito interessante…

Publicado na Revista USP de setembro de 2005, editada pela Universidade de São Paulo (USP), esse trabalho de 16 páginas tenta desvendar as origens do pentecostalismo brasileiro através de suas relações com o pentecstalismo norte-americano.

Baixe aqui