Início > Meus Artigos, Reflexões > FUNK: O LIXO DA “CULTURA” BRASILEIRA

FUNK: O LIXO DA “CULTURA” BRASILEIRA


Renato A. O. de Andrade

——————

O funk é um “ritmo musical” bastante popular no Brasil, principalmente nas favelas do Rio de Janeiro. Embora tenha surgido nos EUA, foi gradualmente se modificando dentro das periferias, misturando com outros estilos como Axé, Forró, Rap, Hip Hop, Freestyle e Miami Bass até se tornar o que temos hoje. Porém, mesmo sendo um estilo muito apreciado por jovens e adultos da era moderna, o funk se configurou como o lixo da cultura musical brasileira. A cultura brasileira nunca foi de fato uma cultura, mas uma mistura de costumes que se alinham as mudanças sociais do povo, de acordo com o lugar onde se encontra. O funk é um movimento que joga por terra qualquer definição cultural de música e acaba usando a banalização para fazer sucesso. No funk, os ritmos são repetitivos, as letras erotizadas e as danças bastante sensuais. E porque isso? Simplesmente porque reflete a vida e o local de quem canta. Que quero dizer com isso, que todos os que morram numa favela são imorais assim como as letras nos sugerem? Não, não é isso. Mas que as coisas que se cantam no funk estão enraizadas no cotidiano dessas pessoas. Embora o estilo tenha vindo dos morros, ganhou surpreendente força dentro dos centros urbanos do Brasil, sendo apreciado até mesmo por pessoas ricas. Basicamente isso ocorre por causa do arquétipo brasileiro (um homem “de bem com a vida”, que “pega” várias mulheres, que vive bebendo com os amigos e cantando sambas nos fins de semana nos bares etc. e mulheres com bumbum avantajados, “corpo violão”, pele morena etc.). Ou seja, uma população que se baseia em suprir diariamente seus prazeres. Uma sociedade estritamente hedonista e sexista. O funk se aproveita desse arquétipo e vai até mais fundo. Uma análise dos aspectos do funk se segue abaixo, para que possamos entender o porque o funk se configura como lixo da cultura brasileira.

O FUNK E A SEXUALIZAÇÃO DAS MULHERES

É sabido de todos que o funk brasileiro tem letras, danças e costumes que banalizam o sexo e promovem a desvalorização do gênero feminino. As letras chamam as mulheres de animais como “cachorra”, “potranca”, “égua”, as danças são quase sempre encenações de pornografia e os costumes que cercam o funk, como vestimentas curtas e claramente sensuais das dançarinas, as qualificações de “mulheres frutas” com conotação sexual, as constantes referências às partes íntimas do corpo feminino tem feito do funk um verdadeiro instrumento de manipulação sexual. A depravação é tal que as próprias mulheres se iludem com os embalos do funk, dançando e crendo que estão sendo valorizadas, mesmo que como objetos sexuais… Não se respeita a dignidade da mulher, não se dá verdadeiro valor às mulheres, somente as reduzem a meros objetos de satisfação sexual masculina. O que se conclui disso? Que o funk é um dos maiores promotores da promiscuidade. Só se tem aumento de gravidez na adolescência, de abortos e de doenças sexualmente transmissíveis entre os jovens porque o funk dá uma grande ajuda. Como o funk ajuda? Ora, o funk canta sexo. Sexo vende e atrai. Assim, o funk ajuda na proliferação da promiscuidade e deturpa a sexualidade. Logo, as meninas ficam tão acostumadas ao sexo explícito entoado nas letras que acabam aceitando aquilo como normal ou até mesmo trivial e os rapazes ardem de desejo ao verem as mulheres se exibirem e se banalizarem daquela forma, que daí para a cama é só um passo a mais. Resumindo: o funk dá uma idéia errada tanto da mulher quanto do sexo.

O FUNK E A VIOLÊNCIA

Algumas letras do funk exaltam as facções criminosas que agem dentro das favelas. Outras fazem referência direta ou indireta ao tráfico, à prostituição e à violência. Mas é nos bailes funk que a coisa fica de fato feia. Na maioria dos bailes dá alguma briga que podem ter vítimas fatais. Depois de beberem tanto e se exporem a violência e ao sensualismo nas letras, os participantes dos bailes funk costumam brigar entre si, que acaba desencadeando outras brigas e por fim, mortes, roubos, estupro e tráfico de drogas e armas. Assim, o funk estimula a violência e o tráfico.

O FUNK E A “CULTURA” BRASILEIRA

Como disse antes, o funk é o lixo cultural da música brasileira. E porque? Como se não bastassem as constantes referências sexualizadas da mulher e ao apoio a violência, as letras do funk não tem conteúdo algum. São letras vazias, sem nenhum tipo de criatividade, somente com repetições ridículas, erros de linguagem, alto nível de decibéis e mesmo ritmo de tom que extrapolam o bom senso. Eu diria que nem merece ser considerada música ou manifestação cultural (deveria se chamar infestação cultural). No entanto, um decreto do Governo do Rio de Janeiro em 2009 promoveu o funk a patrimônio artístico cultural carioca… E porque? Porque com o funk fica mais fácil controlar a população. Controle através do caos. E a mídia, como sempre, dando seu apoio… Até onde eu sei, nenhuma pessoa intelectual gosta de funk. Assim, o funk é um ritmo da ignorância de uma cultura que de fato não é cultura.

O FUNK E AS IGREJAS EVANGÉLICAS

Aqui chego numa parte que me causa revolta. A igreja evangélica tem aceitado diversos ritmos musicais afim de aumentar o número de fiéis. O funk não ficou de fora. Com o intuito de “louvar a Deus” tem sido feito diversas adaptações do funk e denominado “Funk Gospel”. Com os mesmos embalos, somente mudando as letras das músicas mas mantendo a mesma rima. Resultado, temos mais um lixo dentro das igrejas, já não bastassem as músicas absurdas que se cantam por lá. Colocaram funk gospel por simples razão: atrair multidões. Funk é o ritmo do momento, logo, nada melhor do que funk gospel para os crentes de rabo quente… Então, mais dízimos e ofertas… e mais pessoas no inferno… Um absurdo!

Não podemos tolerar mais esse lixo em nosso meio. O funk tem sido a devastação da população brasileira. Temos que mostrar ao povo que existem outras alternativas muito melhores de cultura e música. Mostrar que uma mulher não pode ser tratada como objeto sexual, que elas tem valor e dignidade! De lixo a sociedade brasileira está cheia! Basta!

About these ads
  1. Fagner
    01/06/2010 às 16:16 | #1

    Concordo com todo o texto.

    Funk não é música, é apenas barulho repetitivo com alguém falando besteiras para um monte de gente que não tem o mínimo de cultura ouvindo.

    Será que algum cantor, banda ou seja lá o nome que dão para uma “quadrilha” de funkeiros já estudou música pelo menos por 1 dia de sua vida?

    Meu Deus! Será que algum dia o Brasil vai mudar e vamos começar a dar valor ao que ou a quem realmente merece?

    • dj
      24/06/2011 às 2:24 | #2

      funk é apologia as drogas é um incentivo para matar, roubar, transar sem preservativo e fazer um monte de merda. e mesmo assim as emisoras de TV rádios dão espaço para essas musicas ridículas o Brasil inteiro deveria fazer um manifesto ati funk lembrando que o funk antigo é muito bom mais hoje funk é um lixo

    • 31/05/2013 às 2:16 | #3

      Viu primeiro funk ñ é barulho ñ fala so bestera se vc ñ sabe cala a sua boca ok tem muitos funk por aí que ñ tem bestera ouve primeiro antes de fala as coisas que vc ñ sabe…. odeio pessoas que falam de mais sem sabe……

      • Duan
        01/07/2013 às 19:45 | #4

        mas,a maioria são sim…o funk é barulho,os próprios funkeiros mostram que o funk é barulho pelo que eles obrigam as pesssoas que não querem escutar “funk” ,principalmente em altas horas da madrugada,por isso que o funk é um ruido para pessoas que sintam incomodados com esse funk,se não fosse barulho ,as pessoas não sentiriam icomodados á escutar esse funk em altas horas,um nome que é dado por esse tipo de sonoridade ruim é poluição sonora!

      • mimi
        15/07/2013 às 14:08 | #5

        pra mim funk é barulho sim e ainda acham que podem ser chamado d música… funk é uma porcaria sim e por isso o Brasil está assim porque a sociedade acha que as coisas tem q ser assim sexo dinheiro e o funk é só isso…. funkeiros além de burros são hipócritas e mesquinhos ahhh e claro sem originalidade ner… pra mim funk não é e nunca será chamado de música afinal não passa de uma merda

      • 30/07/2013 às 17:00 | #6

        Fala sim sua funkeira de bosta,ta se doendo pq lixo humano?Achou ruim então morre que passa desgraçada,funkeiro só caga pela boca,só sai o que não presta mesmo,os funkeiros estão acabando com a música Brasileira,destruindo nossa cultura ,as pessoas e tudo mais.Agora se a carapuça lhe serviu o problema é seu sua sem cultura!!

      • hyanka
        23/11/2013 às 13:51 | #7

        nooooooossa, digitou tudo tão certinho, duvido se não é funkeiro
        H3UH3UH3UH3U3HU3HU3H3UH3UH3U3H

  2. Ana Cristina
    03/07/2010 às 18:16 | #8

    Nossa, quanto radicalismo num país democrático, com liberdade deexpressão…Nossa..o inferno é pocuo pra vc! rs…

    • roberto
      29/08/2010 às 15:42 | #9

      funk e o lixo do lixo, a decadencia da nossa juventude

    • 23/06/2011 às 11:50 | #10

      Você deve ser daquelas que adoram mostrar e oferecer a bunda pra traficantes.

    • douglas henrique
      28/06/2011 às 20:57 | #11

      a meu filho se vc acha isto eu simto muito isto so acontece com pessoas cabeça fraca como vc por isto que vc nao pode escutar funk beijos

      • juiana
        20/05/2013 às 14:25 | #12

        ridiculo vc não deve nem ter terminado o ensino fundamental…pra gosta dessa merda de funk..funk é pra gente burra

      • fernandomezes
        25/05/2013 às 1:35 | #13

        Taí, você é mais um resultado da devastação que o funk causa. Nem escrever você sabe!

      • 04/02/2014 às 9:41 | #14

        Funk é hipinose e lavagem cerebral. É para controlar a massa e mantela longe da elite.

    • Felipe artemis
      07/12/2012 às 13:51 | #15

      Tu sabe que e verdade não vem querer defender a podridao não porque se você defende podridao e podridao também

    • 12/12/2012 às 22:29 | #16

      Vai para o inferno funkeira, funk e lixo!

    • 15/03/2013 às 7:23 | #17

      Foda-se, funk é música imoral do capeta!! Você é uma daquelas pessoas idiotas que só curtem porcaria mesmo!! Funk é lixo, rock é música de quem tem atitude!!

    • RICARDO PEREIRA
      08/06/2013 às 10:11 | #20

      funk é lixo e pronto, cantado por quem não tem nenhuma noção de ritmo e melodia tocado por aparelhos sintetizadores, é um absurdo alguém falar que este lixo chamado funk é musica e ainda cultura, só se for cultura dos retardados e das piranhas.

    • Bicho Grilo
      05/11/2013 às 19:32 | #21

      Como se não bastasse esse monte de aberrações musicais, ainda tem outra porcaria, denominada ” sertanejo universitário. ” Tão ridículo quanto ao fank. Letras patéticas, que falam em orgias, bebedeiras desenfreadas e sexo explícito. Uma vergonha até mesmo para os antigos cantores sertanejos, que por si só, já era um lixo. Agora criaram serpentes para picarem seus próprios calcanhares. É a decadência total da música brasileira.

    • Pierro
      20/11/2013 às 23:58 | #22

      kkkkkkkkkk,,, Cheguei depois aqui, mas você está certa. kkkkk

  3. Ana Cristina
    03/07/2010 às 18:19 | #23

    Eu tenho ótima formação, e gosto d abatida do funk… e ouço bethoven,clássicas,tecnno, , dance , precisamos estar abertos… e compreender a cultura dos outros. Não é pq, frequento teatros, cinemas, ouço a chamada “boa” música, que vou inferiorizar a cultura formada por outros grupos.Como devem os funkeiros ver os ritmos dos intelectuais? Seríamos nós de classe média ou média alta melhores do que os outros? Será que a nossa música é a melhor? Bom, vamos refletir.. antes de desdenhar daquilo que n gostamo ou aceitamos..Educação aos intelectuais…….

    • renatim
      04/07/2010 às 22:53 | #24

      Ana Cristina

      O que está em questão aqui não é os ritmos considerados de “intelectuais”, mas sim uma análise crítica do funk em relação ao que chamamos de “cultura”no Brasil.

      Se cultura for ficar chamando as mulheres de “cachorra”, “potranca”, “popozuda”e mais não sei o que, todos com conotação sexual bem clara, então estou no inferno. O funk faz com que as mulheres se aceitem como objetos sexuais, é só verificar as roupas e o tipo de dança, que são claramente simulações de sexo. Pergunto: isso é cultura?

      Ademais, não e apenas o ritmo, mas a letra também não tem nada culttural. Um exemplo claro é os Rebolations da vida…

      • André
        04/09/2011 às 0:48 | #25

        Concordo com a Ana não gosto de Funk mas não tento impor o que eu gosto, cada um na sua ,se eu não gosto não critico pelo menos
        por exemplo não gosto de Funk nem de Rock, mas tem quem goste, fazer o que ?!

      • Ricardo Pereira
        09/04/2013 às 19:17 | #26

        Ana Cristina é ridícula sua opinião, funk é lixo pra gente sem cultura e ponto, o Brasil é muito rico musicalmente falando, este funk veio pra retardados e piranhas totalmente sem cérebro.

    • luis alexandre
      29/01/2011 às 15:16 | #27

      ouvir bethoven e funk só mostra que vc não tem nenhuma personalidade, apoiar a ideía de que funk é cultura te faz mais ridiculo ainda, gostar do funk só por causa da batida mostra que vc não entende de nada ta perdido,viajando na maioneze

      • rone
        09/01/2012 às 12:35 | #28

        concordo com vc amigo parabens meus conceitos sao os mesmos

      • Phernanda
        11/11/2012 às 1:02 | #29

        Realmente. Gostar de Funk e de música clássica é uma contradição imensa =/

      • 30/12/2012 às 14:40 | #30

        a questão é que Funk é uma coisa de pessoas sem qualquer tipo de respeito, na minha rua ligam a caixa de som no volume maximo !! SÃO UNS BANDO DE FDP !!

      • Rick
        14/01/2014 às 23:45 | #31

        Não sabe realmente em que lado está! Tá perdida mesmo! É o mesmo de alguém gostar de tomar um bom uísque num restaurante luxuoso e depois fumar crack numa esquina de qualquer gueto!

    • MARIO SK
      15/10/2011 às 4:05 | #32

      ANA CRISTINA

      TUDO BEM, DEVEMOS COMPREENDER A CULTURA DOS OUTROS,(SE BEM QUE NÃO SEI ONDE FUNK É CULTURA). NÃO SE TRATA DA CLASSE MÉDIA OU MÉDIA ALTA SER MELHORES QUE OS OUTROS, SE ELES QUEREM OUVIR FUNK QUE OUÇA NO CANTO DELES . O PROBLEMA É QUE TODO FUNKEIRO QUER OUVIR A MUSICA PRA ELE E PRA TODOS E EU NÃO SOU OBRIGADO A ATURAR ISSO , ISSO PORQUE TENHO FILHOS PEQUENOS E ELES NÃO RESPEITAM ISSO….PORTANTO EXIJO”EDUCAÇÃO AAAAOOSSS FUNKEEEIROS” E NÃO AOS INTELECTUAIS.
      ME IMPRESSIONA VC TER UMA ÓTIMA FORMAÇÃO COM UMA OPINIÃO DESSAS !!!

    • Wesley
      20/10/2011 às 0:29 | #33

      Vc tem formação? Que ótimo!!!
      Eu sou formado em Letras e Inglês. Sou ótimo em Literatura. Também canto e sou regente de coral Católico.
      Por que no funk os caras, além de não saberem cantar, só ficam xingando e apoiando a violência?
      O funk brasileiro simplesmemnte imitou o inglês e ficou falando palavrões, nada mais.

    • jonasmoura78@hotmail.com
      28/08/2012 às 12:24 | #34

      aff escuta musicas boas como betove??? eu acho qui nao si nao vc mais do qui nimguem aqui saberia o quanto funck e ridiculo e fas apologia a drogas e aimda por sima desvalorisa totalmente a mulher e a trata como si fossi um obigeto aff acho qui vc nao escuta musica porcaria nem uma qualquer um qui intenda de musica sabe qui funck e um LIXOOOOOOOOOOOO

      • Prof Pascoale
        21/03/2014 às 23:34 | #35

        Nossa que jumento! eu nunca vi tantos erros de ortografia e gramática juntos…Esse Jonasmoura é um analfabeto funcional…

    • Felipe artemis
      07/12/2012 às 14:03 | #36

      Desde quando funk e cultura funk e degeneração social e cultural acho que sei d

    • 22/12/2013 às 16:19 | #37

      Parabéns Renato !
      Gostei muito dos seus comentários sobre o Funk.
      Agora mesmo estou escutando a merda do Funk, pois meu vizinho adora de paixão e faz questão de que todos escutem o lixo que vomita.
      E o pior:
      Crianças, pais, mães, avós, todos juntos e coniventes com a podridão.
      Não tem saída !!! Ta tudo perdido !!!
      Só lamento.

      Um abraço !!!!

  4. Aline
    22/07/2010 às 23:33 | #38

    Ola
    gostei muito do texto acima e a pura verdade, o FUNCK E UM LIXO , no nosso pais!!
    esta se espalhando como uma praga, o povo brasileiro não enxerga o quanto estão sendo ingnorantes, as letras não trazem uma mensagen de musica mais sim uam insinuação, ao sexo ,as drogas, a prostituição , a matar, a roubar, a estrupar, a fazer guerra!
    Qual e o proveito que isso tem mas vidas das pesoas que cantam e que ouvem?
    concerteza nenhum!!
    Isso so ajuda a perde o pouco de cultura uqe nos temos, o parte pior e que, as musica e os Mc’s que cantam, desvaloriza as mulheres, xingam de cachorra , vaca, e puta, etc!
    Simplismente e de se lamentar o ponto que os nossos jovens crianças e adutos chegaram!!!
    Espero que isso um dia se acabe vai ser uma grande vitoria para o pais!

    • roberto
      29/08/2010 às 15:46 | #39

      quem viu as musicas anos 70 80 e 90 e v hoje esse lixo do funk dominando, e o fim, o fundo do poço, a decadencia total dos jovens de hoje

      • rone
        09/01/2012 às 12:32 | #40

        concordo amigo so nao ve quem finge de cego

    • marcelo
      01/02/2011 às 23:04 | #41

      funk rima com todo o tipo de imundicie, matar, morrer, drogas, prostituiçao,corrupçao, roubo etc. de que lado voce esta?

  5. Poliana♥
    02/08/2010 às 9:12 | #42

    Concordo tbm acho o Funk um lixo cultural …
    bjO…

  6. DJ SENA 35
    19/08/2010 às 15:32 | #43

    Concordo com o raciocínio do Renatim, FUNK é LIXO mesmo. Os criminosos usam pra promover sua facções; pra expandir a venda do seu produto; pra aumentar sua popularidade; pra dizer às autoridades:”nós estamos no comando”; pra fazer lavagem cerebal nas mulheres que frequentam os bailes e dizer à elas: vcs são cachorras, submissas, objetos sexuais, vem de saia, sem calcinha, tranze sem camisinha, dê o seu c… Quem tá no meio defende, mas utiliza-se de argumentação muito pobre, vamos valorizar o que temos de melhor e deixar de lado toda essa babozeira que querem nos vender.

  7. Cesar
    22/08/2010 às 13:14 | #44

    Bom, o funk é a banalização da musica e da cultura brasileira, que estimula a desvalorização da mulher como ser humano. Reflete exatamente o caos que estamos vivendo em nossa sociedade brasileira. à medida que o dinheiro se torna cada vez mais valioso enquanto isso os bons valores vão sendo deixados em ultimo plano. Ai eu pergunto qual o proveito que tiramos todos nos de “musicas” que exaltam o caos da sociedade atual ? As musicas tem uma função educacional, no caso do funk, cumpre uma função de “des”educar, as pessoas, e isso se torna mais grave ainda se levarmos em consideração que até as crianças, por incentivo dessas maes que tem pessimo gosto musical tocam e curtem essas “musicas” em casa diante das crianças. Funk é um movimento antieducacional, não transmite bons hábitos, estimula a prostituição, inclusive entre as crianças, portanto é uma “musica” que gera o caos social no comportamento infantil e adolescente: Crianças despreparadas, precocemente fazendo sexo, abortos(crime contra a vida), e isso queima etapas na vida infantil e adolescente dessas pessoas,.

    Quanto a solução para combater estes lixos culturais, teriam que ter várias ações, uma delas teria que começar de todos nos, a grande maioria, que detestamos porcarias de funk que “deseducam” as pessoas e as nossas crianças, futuro do pais:

    Na TV,ou radio, mude de canal ou dial, imediatamente, quando virem ou ouvirem algo relacionado a essas musicas, colaborando para abaixar a audiencia, já que essas emissoras asquerosamente mercenárias, estão mais preocupadas com o ibope($) do que com a reconstrução de uma cultura mais saudável no pais. E manter no canal quando na tv passar musicas com conteudo decente, estimulando a tv a passar cada vez mais o que é de bom conteudo.

    A apreciação do funk também tem a ver com mulheres que viram uma geração de mulheres, que foram frustradas sexualmente diante de várias proibições, e que diante dessa exagerada libertinalização ao sexo, ultrapassam os limites do bom senso. São “mulheres” sem noção, que acham que vale tudo para “liberar geral” achando que estão exorcizando a antiga repressão sexual feminina agindo desse jeito, quando na verdade elas estão desvalorizando o corpo feminino, e a elegancia feminina, ou seja se tornam mulheres sem classe, vulgares, que só despertam desejos nos homens que as querem faze-las de meros objetos sexuais descartáveis , colocando as no ultimo patamar da desvalorizaçao da mulher, mas elas pensam que estão abafando que são poderosas. Sinto muito pena delas, porque são vistas por todos os homens como meros objetos descartáveis. E é o que eu sempre digo: É a mulher quem demonstra com os seus atos, como ela quer que o homem a veja. Se ela for uma mulher sem classe e vulgar, isso despertará no homem a imagem de uma “mulher objeto descartável”, que se deve usar uma vez ou duas e “jogar fora”, pra pegar a proxima descartável !! Se ela for uma mulher de classe, com boa cultura, sem deixar de ser elegantemente sensual, ela vai ter uma imagem de deusa diante de inumeros homens, porque consegue ser sensual sem ser vulgar.

    Exemplo: Mulher melancia ( dança truculenta, sem classe e vulgar)
    Shakira (dança com classe e elegancia, e é sensualissima sem sem vulgar) Perguntem o que nós homens achamos dela.

    Mariah Carey, dança sensualmente sem ser truculenta nos movimentos do corpo, não perde a elegancia e a classe feminina, e dança sensualmente sem ser vulgar. Ao mesmo tempo que se valoriza como mulher, também atrai todas as classes de homens, aos contrario da mulher melancia.

    Essas duas mulheres, pelo seu estilo de se movimentar e dançar agrada a todas as classes de homens, alem de não passar a imagem de mulher objeto, mulher futil.

    Já a mulher melancia, não agrada a todos os homens, porque há muitos homens que se enojam de mulheres muito vulgares não pelo corpo, mas pela forma vulgar como dançam. É verdade que a grande maioria deles apreciam a mulher melancia, mas como um objeto descartável. Já a postura das dançarinas sensuais nao vulgares, atraem os homens para algo mais sério como namoro, e não apenas como mais umazinha na coleção das que ele já comeu.
    É fato incontestável, que mais homens vão apreciar e valorizar muito mais a mulher sensual do que a mulher vulgar. Ser vulgar, dançar funk é se desvalorizar como mulher diante dos homens, ser sensual e dancar com classe, é agradar a todas as classes de homens,com o bonus de não ser desvalorizada como mulher.

    Funk promove a vulgaridade e desvalorização da mulher ao mais baixo nivel humano.

    Mulheres temos exemplos mais eficientes de como atrair e ser atraentes aos homens sem serem tratadas como objetos descartáveis: É plenamente possivel ser elegante e ao mesmo tempo ser sensualíssima.
    Mas é impossivel ter classe e elegancia, dançando truculentamente um funk, que me lembra um termo muito escroto é o mesmo movimento de um “tiaca tiaca na butchaca ! (rs)Isso é belo na intimidade a dois, agora na rua perante todos, sinceramente é muito escroto ver uma mulher fazer movimentos tão truculentos diante até de crianças.

    • bianca
      13/10/2012 às 0:50 | #45

      Cara, o que vc disse foi absolutamente verdade. Eu ainda não consigo entender como mulheres ainda tem o descaramento de pedir respeito se deixam os homenss ausarem como simples objetos usados para a satisfacao egoísta deles.Sinceramente medidas devem ser tomadas com urgencia! EU NÃO AGUENTO MAIS ISSO!

    • Lu
      17/12/2012 às 1:04 | #46

      Puuuuuuuuuuuuutz você falou tudo cara, merece meu respeito véi ! Eu odeio funk e acho ridículo mulheres,crianças e adolescentes serem desta forma,porque pra falar a verdade até as crianças estão entrando no embalo, e os pais? simplesmente nem ligam pqp esse é o BRASIL . QUE SOCIEDADE ESTÚPIDA ESSA EM QUE VIVEMOS EM

    • Maria de Lourdes
      02/03/2014 às 21:37 | #47

      huum..vc tacou pedra nas mulheres vulgares,mas o que dizer disso aqui: “e não apenas como mais umazinha na coleção das que ele já comeu.” Então,homem pode sair transando por aí mas quando somos nós,isso nos desvaloriza?? Edepois,só o Funk é que é machista,que nos desvaloriza? Muito contraditório,além do mais,vc tem o pensamento machista repressor que descreveu lá nio início do seu post,que alimenta o funk,sem falar que toda essa ladainha de “mulher vulgar x mulher sensual” nada mais é do que nos ver como meros objetso sexuais,mas de forma elegante.Ou seja,mais do mesmo,por isso que é difícil quebrar essa nojeira cultural.

  8. 25/08/2010 às 16:56 | #48

    Genial! Simplesmente genial esse texto, concordo plenamente com o que acabei de ler nesse texto, está de parabéns!!!

  9. Jéssica
    02/09/2010 às 21:19 | #49

    Para de ser idiota se você não curte não descrimina quem ouve … nesse texto tem muito é preconceito duvido se vc já passou as necessidade que essas pessoas do “morro” como vc diz passa acho bom vc conhece mais ok pois o funk não ensentiva o trafico pelo contrario! e funk é cultura sim não é porque vem de pessoas humildes que é “lixo”engraçado as pessoas falam isso mais quando passa um funk morrem de dança e depois fica descriminando! é mais os play boys querem ser maiores que todo mundo pois é bom vcs ficarem com medo msm pois as pessoas do morro estão chegando mais chegando com tudo! com humildade coisa que vc não tem e outra coisa e só num ouvi cada um ouve que quer mais não descrimina essas pessoas que lutam tanto pra ter algo na vida. (muito tosco aff)

    • renatim
      04/09/2010 às 22:17 | #50

      Jéssica

      Você alega que funk é cultura, o que talvez possa ser meia verdade, quando o funk ser classificado como uma subcultura. Segundo você, o funk é um retrato das necessidades dos habitants do “morro”. Lhe pergunto então: Há necessidade dos homens chamarem as mulheres de cachorra, égua, gostosa e outras palavras que vulgarizem a mulher? Existe alguma necessidade das mulheres aceitarem isso? O que temos na maioria das letras? Sexo. O problema não está no sexo, mas na banalizaçãp deste, e é isso que ocorre nas letras do funk em geral. O funk como expressão cultural pode até ser válido, desde que nos limites do bom senso. Isso não vale só para o fn, mas para toda e qualquer manifestação artística.

      Além disso, você argumenta que o funk não “encentiva” o tráfico de drogas… Bom, o que se tem visto por aí não é exatamente isso. Drogas e prostituição geralmente estão liugadas nos dias de hoje, e o funk é o estilo musical que mais exalta a prostituição. Logo, por associação de fatos pode-se inferir tambémque o funk incentiva o tráfico de drogas também.

      No mais, o funk não é um material culltural 100% brasileiro, pois teve influência de diversos gêneros norte-americanos, como descrito no artigo. Assim, caracterizar o funk como cultura brasilera, como os cariocas desejam,
      é no mínimo equivocado.

      Entendo a situação dos habitantes ds “morros”, mass creio que a pobreza em si não e motivo de crimes ou mesmo de promiscuidade. Há outras formas de cultura bem mais saudáveis do que as praticadas nos morros cariocas, sem que se recorra à banalização da sexualidade e da figura feminina.

      Procurem essas alternativas.

      • Wesley Groesk
        20/11/2012 às 3:12 | #51

        Concordo com todos os seus argumentos e faço deles os meus , mas nem todo carioca é funkeiro kkkk , o termo certo seria “como os funkeiros desejam” , eu também acho o funk uma escória da sociedade brasileira e nem deveria ser considerado como uma manifestação cultural.

        Abraços.

    • Diego
      02/09/2011 às 22:09 | #52

      Minha cara, eu parei de estudar um pouco agora a noite para me descontrair no youtube…por curiosidade, comecei a pesquisar as postagens dessa imundície que chamam de música.
      Vc não deve saber o que é o funk carioca. Faz apologia SIM ao tráfico, a facções criminosas, ao adultério, à imoralidade. Vi vários exemplos disso agora a pouco, em alguns minutos no youtube.
      Antes de postar sua opinião e tornar pública ao espaço sideral sua ignorância, melhor pesquisar um pouco antes.

    • Phernanda
      11/11/2012 às 1:08 | #53

      Nossa, quanto erro de português em poucas frases: “ensentiva”, “descriminação”… Só podia vir de quem ouve funk =/

    • Felipe artemis
      07/12/2012 às 15:37 | #54

      Tu não sabe porra nenhuma eu fui nascido e criado no morro e não suposto funk esse texto tá ceticismo funk e degeneração social mental cultural verbal e espiritual e não vem ficar compeninha de favelados estúpidos que não sabem nem onde fica o norte como eu disse sou dó morro sim mas o morro não me enfuencia e batalhões e venci não fui acomodado e estúpido me deixei influenciar pelo meio em que eu vivi já vi pessoas serem mortas na minha frente e vi meninas de 12 anos grávidas por causa da influência maldita dó funk vi meninos de11anos portando um fuzil maior dó que eles
      então dona jessica(nome de funkeira vadia)quando for falar de um assunto se informe primeiro valeu!?

  10. marcelo
    18/10/2010 às 21:19 | #55

    Olá Renato,
    Rapaz… Você devia ter mais cuidado com o que fala… Assim ia evitar de falar bobagem.
    Em primeiro lugar, é preciso dizer que nem todo tipo de Funk é igual ou fala exclusivamente de sexo ou violência (lembra do “era só mais um silva que a estrela não brilha ele era Funkeiro mas era pai de familia…).
    Em segundo lugar, mesmo que o Funk só falasse de sexo e violencia, se este tipo de conteúdo fosse tão nocivo assim, todas as meninas que cresceram vendo a xuxa seriam piranhas e os meninos que assistiam Tom & Jerry todos serial killers. E eu nem vou falar das novelas da globo…

    Mas este preconceito que você reproduz não é novidade! Durante o século XIX o maxixe, por exemplo, era encarado exatamente como você vê o Funk. Tomara que você perceba um dia, que embutido nesta sua percepção etnocentrica da música, existe uma questão muito maior e ligada a mediações/conflitos entre extratos sociais diferentes.
    Não sei se você sabe, mas isto que você entende atualmente como música clássica na grande maioria são danças populares europeias.
    Já ouviu falar de “alteridade”?
    Devia, pois já que você se diz um aficcionado por filosofia e sociologia não seria ruim estudar um pouco!
    Até porque seguindo o seu próprio raciocinio evolucionista, eu poderia afirmar que você meu amigo, enquanto brasileiro, e enculturado numa subcultura de terceiro mundo, não tem nem sequer criteiros para ter um blog ,ou muito menos fazer uma crítica músical . eu poderia dizer que o lixo da literatura são pessoas como você.
    Veja bem, até esse ponto eu estou criticando apenas a sua postura etnocentrica/preconceituosa/facista/mal informada com relação ao conteudo do seu texto sobre as implicações culturais de uma prática musical.

    Agora, permita-me críticar a sua obsrevação musical pois obviamente você não é músico.
    Musicalmente, o Funk possui uma elaboração ritmica bastante complexa e que muitas vezes explora céulas ritmicas prototípicas da cultura de tradição oral brasileira. Sobre o sistema harmônico, eu posso te dizer que normalmente é tonal, ou no maximo modal. Ou seja, é o mesmo sistema harmônico que você ouve em todas as músicas (digo isso porque pela sua ignorancia musical certamente você só ouve música pop).
    Em poucas palavras, você diz que o funk é um lixo, mas você, mesmo se esforçando muito, não conseguiria fazer um.
    Ué??? Não é estranho isso??? Se o negocio é tão pobre assim porque você não consegue reproduzir??? Já pensou nisso???

    Rapaz, você é novo e ainda pode mudar muito seu pensamento.

    Boa Sorte!!!!!

    • Diego
      02/09/2011 às 23:16 | #56

      Marcelo, bom falar com um músico também. Me admira um indivíduo tão letrado e entendido em teoria venha em defesa disso que, sim, é um lixo musical.

      É um dejeto, um excremento de um sistema decadente, de uma sociedade alienada, de ruminantes de um alimento desprovido de qualquer qualidade. Aliás, como vi noutra postagem, em outro lugar, nem lixo é, porque boa parte do lixo pode ser reciclada.

      Fiquei realmente admirado com a inteligência da sua postagem, e, em teoria, é quase impecável se lida sem a devida atenção. O desafio que vc lançou ao autor é falho.

      O funk carioca é uma cultura (do ponto de vista filosófico) incompatível com uma música mais elaborada. A criação é toda feita por puro empirismo. Os vocais são órfãos de técnica e métrica. A motivação do funk perpretado nos morros é toda imbuída em sexualidade, depravação, imoralidade e diminuição da estima feminina por sua essência.

      Isto é, a mulher não é amada e desejada por suas qualidades intrínsecas, mas unicamente porque têm uma carcaça jovial, com um (ou mais) orifício(s) nos quais os marmanjos podem enfiar seus membros.

      É lógico que nem sempre o funk foi assim. Aliás, eu, como músico, gosto muito do funk (o verdadeiro e o derivado, sobretudo o funk-metal). Mesmo falando deste funk carioca que insistem em chamar de funk. Nem sempre foi essa propaganda da promisquidade.

      O funk que nem o Faustão tem coragem de transmitir em seu programa (outro lixo) e que vc pode facilmente verificar no youtube é a reprodução da ignorância. E nessa estratificação (com “S”, não com “X”, como vossa senhoria grafou), podemos notar elementos que potencializam a produção e reprodução do funk, e, porque não dizer, são sine qua non.

      A falta de escolaridade, a pobreza, a violência, etc. São elementares da condição da grande massa do morro. Não há valoração neste estrato social de uma mulher que estude. Então, para obter a afirmação social, elas vestem micro roupas e esfregam suas vaginas no pinto duro de um zé ruela sem futuro.

      Elas obtêm a atenção, e de brinde, uma DST e, com sorte, um filho de pai desconhecido.

      A alteridade alegada por vossa senhoria é um instrumento de avaliação, aferição, compreensão, não de permissividade.

      Entender e suportar a diversidade tem limite, como tudo na existência do homem e nas relações interpressoais. Vá falar de alteridade com as vítimas do holocausto quando eles mencionarem Hitler e o arianismo.

      Não podemos admitir que a proliferação da promisquidade, da imoralidade, do desvalor da família, a apologia a práticas atentatórias aos bons costumes e ao bem-estar social sejam tidos como normais.

      Esse esterco da ignorância que chamam de música é fruto do desconhecimento de verdadeiras técnicas que para serem minimamente entendidas demandam estudo, disciplina, exercício.

      Eu tenho instalado aqui um programa profissional de criação de batidas, e só de escutar essa merda eu te digo que em poucos minutos sou capaz de cagar tão bem quanto esses autodenominados MCs e DJs. Digo logo antes vc lance o mesmo desafio de criar uma droga dessa.

      Embora vc ostente arrogantemente um palavreado difícil para o homem médio, posso te afirmar com tanto conhecimento ou mais que vossa senhoria, que o funk possui um compasso praticamente invariável se comparados os exemplares uns com os outros. Mudam-se os samples, alguns efeitos ridículos e repetitivos e nada mais. O esqueleto é basicamente o mesmo.

      Tenho um colega querido admirador do funk mais antigo, de cerca de 10 anos atrás, da época do Furacão 2000. De lá para cá, essa merda só piorou!

      As meninas se submetem a práticas que envergonhariam o mais depravado pai.

      Você recomenda ao autor cuidado com o que ele ataca.

      Eu recomendo a você cuidado com o que vc defende. O filhotinho fofinho e bonitinho um dia vira um leão faminto e pode tragar sua filha, seu filho.

      Deus te abençoe e nos guarde.

      • 25/05/2013 às 11:32 | #57

        Eu ri muito agora , concordo plenamente com os seus conceitos Diego . Kkkkk , funk ainda é pior que lixo e está cada vez pior a situação pois eles , os funkeiros , se juntaram ao tráfico e outras porcarias mais . E a situação só não muda por causa da classe política , que deve levar algum por fora .
        Inclusive a classe política deve levar algum dinheiro do tráfico
        de drogas é claro .

    • 15/03/2013 às 11:18 | #58

      Diga o que você quiser, a sua opinião não significa nada pra mim. Se você gosta de música imoral, problema seu. Funk é coisa de otário mesmo…

  11. 18/10/2010 às 23:05 | #59

    marcelo semata, repare que escrevi seu nome com inicial minúscula, pois é assim que considero quem defende ou ouve o funk, apenas um nome, para iniciar vou dizer que o lixo sonoro funk não é uma melodia, o que você disse sobre o funk explorar células rítmicas tonal, POH! EM TODAS MÚSICAS? CARA ESSA PORCARIA É A MESMA BATIDA O MESMO RITMO AS MESMAS VOZES IRRITANTES! digo isso por que moro em uma periferia e ouso sempre contra minha vontade todas essas “músicas” -.-’ PESSOAS COMO VOCÊ DEVEM MORRER! até esse ponto eu estou criticando apenas a sua postura ridícula/idiota/ignorante/ingênua com relação ao conteudo do funk ^^

    Isso não é generalização, seria se a cada 10 funks 1 não prestasse e fosse criticado o gênero por inteito, mais a situação é a cada 10 funks 14 é nojento.

  12. Marcelo
    19/10/2010 às 18:44 | #60

    Então… Tá ai o infeliz do Hector de exemplo. É um “idiota” nazista… E não ouve Funk.

    Inicialmente me ocorreu a idéia de dar uma sacaneada no pobre, chamando ele de burro pelas pérolas proferidas. Do tipo: -”células rítmicas tonal”.
    Mas não vou. Pelo menos não tanto quanto ele merece. E digo mais, eu até entendo um pouco ele.

    Em primeiro lugar, o Hector não sabe nada de música (sequer a diferença entre ritmo e harmonia) mas isso não é culpa só dele. O sistema de ensino brasileiro, principalmente o público, não dá conta de uma formação artística. Eu sei que ter podido estudar música foi um privilégio, e que isso realmente muda meu entendimento do que eu ouço. O que eu quero dizer, é que eu entendo que para o Hector pareça tudo igual, mas posso afirmar com alguma propriedade que não é.

    Em segundo lugar, podemos refletir sobre as motivações, e conseqüências sociais do pensamento do Hector.
    O Hector mora num subúrbio e os vizinhos incomodam ele. Ele não entende que mesmo que o tipo de música que os vizinhos colocassem não o incomodasse, provavelmente incomodariam a outro vizinho. Obviamente o Hector não gosta de morar num subúrbio (e quem gosta?), e associa de forma intuitiva o Funk que ele é obrigado a ouvir com sua realidade. Por isso o Hector acha o Funk um lixo.
    É lógico que ninguém deve ser obrigado a ouvir uma música que não não gosta, e tão pouco tem a obrigação de gostar de todos os gêneros.
    Mas isso não quer dizer que os outros não possam gostar.
    Classificar o gosto dos outros como “lixo” é um ato bem mais baixo que qualquer palavrão. E é também perigoso pois dá margem a que outros pensem o mesmo do nosso gosto.
    Eu, particularmente não ouço Funk, mas também não ouço varios outros gêneros e também não tenho absolutamente nada contra.
    O importante é que de jeito nenhum eu vou sair por ai chamando de lixo.

    Porque pensar e ter gostos diferentes é normal.
    Falta de respeito pelos outros não.

    Eu queria aproveitar e pedir desculpas pelo dito a você, Renato, no comentário anterior :”sua postura etnocentrica/preconceituosa/facista/mal informada.” Depois, relendo, achei muito agressivo e não era minha intenção. Eu não queria te ofender e só escrevi aqui porque achei seu texto digno de resposta. Normalmente eu não me daria esse trabalho.

    Mas veja bem como esses “adjetivos” são claros no comentário do Hector e exemplificam “porque” você deve ter mais cuidado com o que escreve Renato.

    O Hector não teve muita instrução e repete o senso comum imposto por um extrato social que nem é o dele. Assim reforça um ciclo vicioso muito mais danoso do que qualquer letra de duplo sentido ou de baixo calão.
    Provavelmente alguém que concorde com as opiniões do próprio Hector, ao passar em frente sua casa (no subúrbio) de carro, e visse ele atravessando a rua, fecharia a janela.
    Certamente o Hector ia ficar puto… E na minha opinião com toda razão.
    Apesar de ter sido o Hector quem escreveu o comentário, ele mesmo não tem muita noção do que esta escrito. Como eu já disse, esse discurso é muito mais velho que ele. Parece “natural” tratar as coisas dessa forma mas não é.
    O discurso do Hector é instrumento de dominação do próprio Hector.
    Em outras palavras, se as “pessoas como eu” morressem do jeito que o Hector gostaria, ele ia ser um dos que mais iam se FU…
    No fim das contas, a insignificância do Hector é sua maior sorte.
    O perigo, é que outras pessoas façam coro com ele.

    Eu não gostaria de viver numa sociedade de “Hectors”. Também duvido que o próprio gostasse.

    Então fica a pergunta:

    E você? Ia gostar?

    PS: Hector meu caro, desculpe-me mas preferi não reparar muito na questão de letras minúsculas ou maiúsculas, nem nos erros de concordância, nem de ortografia. Mas só como toque para os próximos textos :
    1- “ouso” com “s” significa “ousar”, e não ouvir. Ouvir é com “ç”.
    Exemplo: – Eu “ouço” as besteiras que o Hector diz.

    2- “mais” significa “+”. Quando você quiser dizer “mas” com sentido de “porém” é sem o “i”.
    Exemplo: – Por “mais” que eu não goste do Hector, eu não quero que ele morra. “Mas” se ele morresse também não ia me fazer falta.

    3- Se você quiser aprender a escrever (e saiba que isso pode até te ajudar a ficar mais espertinho) aconselho a procurar o MOBRAL. Por aqui vai ser difícil e eu estava esperando a opinião do Renato e de pessoas mais (nesse caso é com “i” mesmo viu Hector?) inteligentes que você um pouquinho.

    • renatim
      19/10/2010 às 23:20 | #61

      Olá Marcelo.

      Sua resposta é pertinente e bastante eficaz. De fato, não concordo com a postura agressiva do Hector, que me pareceu deveras legalista ao dizer que pessoas que aceitam o funk devem morrer. Ao meu ver, é mesmo uma atitude de, no mínimo, uma pessoa de índole farisaica, que não aceita opiniões contrárias. Há porém, uma coisa que devo concordar com ele: o funk tem mesmo as mesmas batidas e tonalidades, o que o torna um rítmo repetitivo e portanto, irritante. E quando ele diz que ouve as músicas sem o seu consentimento ele está ao menos demonstrando a realidade: o funk virou um subproduto da cultura de massa e por isso o vemos todos os dias nos carros com sons altos dizendo “cachorra”, “potranca”, “égua pocotó” e outras bizarrices que escandalizam e banalizam as mulheres como já foi dito no artigo. Ou seja, deveria-se ter no mínimo um controle sobre que tipos de m;usica poderiam ser ouvidas em lugares públicos com sons no n;ivel que ouvimos nos autofalantes dos automoveis por aí, e logicamente, controle de volume. O que quero dizer, censura? Não, mas uso do bom senso. Sexo não é uma coisa para ser feita na rua, em plena avenida, certo? Então, não só alguns funks, como também muitas m;usicas deveriam gter um controle sobre sua viabilidade em locais de grande concentração de pessoas.

      Quanto ao funk em si, o problema que vejo hoje é que o que conhecemos como funk é basicamente isso que escrevo no artigo, este é o funk bveiculado pela mídia de massa para fins de controle populacional e ideológico. Ou seja, ao contrário do que muitos pensam, o funk não é um rítmo da periferia, mas uma estratégia da elite para dominar a população em geral, pois caso contrário não teria tanta propaganda assim nos meios de controle social (rádio, TV). E como se dá esse controle? Simples, utilizando-se de um canal musical, passa-se a ideologia de que as mulheres servem para serem exploradas sexualmente e que elas devem se sentir felizes por isso, que o povo do morro deve ficar onde está (“eu só quero é ser feliz, andar de bicicleta na favela em que nasci…”), que o pobre em geral é “preto” e “puta”, enfim, se analisarmos bem a fundo o que está por trás do movimento funk, teremos isso. É uma questão de perspectiva. Ademais, a imagem do funk veiculada pela mídia é sempre a mesma: mulheres com shortinhos ou saias curtíssimas ou nmuitas vezes seminuas, rebolando e fazendo gestos degradantes para ela mesma, enquanto os homens ficam atrás ou na frente fazendo poses que lembram muito uma atividade sexual, as batidas são sempre as mesmas e o tom das músicas (não estou falando no conceito de um musicólogo, mas do senso comum) é repetitivo. Al;em disso, é sabido que muitas gangues e traficantes usufruem do funk para incentivar a violência, que também é fruto do capitalismo Então, a critica feita por esse artigo deve ser entendida deste modo.

      Quanto ao seu pedido de desculpas, não se preocupe, não me ofendi, mas de fato achei um pouco agressivo mesmo.

      No mais, esse texto está com 5 meses de idade, e portanto, velho, rsrs. Eu mudei muita coisa nas minhas concepções filosóficas e sociais, principalmente depois que larguei a Engenharia e comecei a estudar Comunicação Social (Publicidade) neste semestre. Logo, hoje eu escreveria este texto de outra forma, porém deixo ele aqui porque quero acompanhar minha “evolução” ao longo desses dias de blogueiro…

      Hoje, eu digo do funk a mesma coisa que diria acerca do homossexualismo: não concordo, não gosto (mas nem por isso vou dexar de ser amigo de quem é ou simpatiza) e acho que tenho o direito de discordar e não gostar, mas quem quer fazer, ser ou ouvir, que faça, seja, ouça, â vida é dele, desde que não se crie leis que criminalize quem discorda.

      No mais, suas alegações são bastante inteligentes, o que prova que você tem uma boa visão. Sugiro que leia o meu artigo mais recente, A FARSA DA MODERNIDADE, e veja se você e eu concordamos em alguma coisa, e senão, vamos abrir espaço para discussão, afinal este blog é para isso.

      Uff… acho que escrevi demais, kkkk

      Obrigado pela sua contribuição!

    • Gabriela
      23/01/2014 às 20:33 | #62

      Caro Marcelo, não estamos levando em conta os arranjos musicais do gênero.
      O que deixa o funk carioca pobre são as letras que eu, e grande parte da sociedade odeia e achamos um lixo porque não fazem o menor sentido e não é um gênero musical que pode dar um futuro promissor até porque quase todos os MC’s (não digo todos) não terminou nem o ensino fundamental. E sim as letras do funk são apologia ao crime e ao sexo.
      Você deve ser um homem formado, experiente (eu imagino pela sua opinião) deve ter uma boa vida financeiramente, e também deve saber que a educação pública no país hoje é outro “lixo”. Então não fique corrigindo os outros você não sabe a realidade que a pessoa vive.
      Enfim não existe ninguém igual, com opiniões iguais, eu defendo meu ponto de vista e continuo com minha opinião irreversível a respeito do funk, pode ser que mude futuramente mas por enquanto não.

    • Harold
      25/03/2014 às 13:37 | #63

      Em poucas palavras: “funk” carioca não-é-música-e-é-lixo-para-débeis-mentais-e-fracos-de-moral. Quem não gostou que continue expondo suas filhinhas de 5 a 12 anos a essa incitação a prostituição infantil e que carregue pelo resto da vida a infelicidade de ver suas filhas e netas violentadas e assassinadas e seus filhos se tornarem criminosos e estupradores.

  13. 22/10/2010 às 19:27 | #64

    euri auehueahuehaeh o kra escrevu um p#t@ texto, sério kra axo concordo com quase tudo que você disse principalmente com a parte que menciona esse ensino maravilhoso que eu recebo, e não quero sua morte, ainda, MWHAHAHA e tipo tenho apenas 11 anos e não sou nazista, e não entendi porque uma pessoa detestar funk significa ser nazista pelo que eu sei os nazista se denominam uma raça superior de linhagem sanguínea pura, e queria “refazer o mundo” eliminando as demais raças. bom sobre o erros de português foi mto desnecessário você me corrigir bom vc deve ter mto tempo livre ja deve ser formado e tals, é como vc mesmo disse o ensino que recebo é bem tosco

    Sobre o que o Renatim disse
    Hoje, eu digo do funk a mesma coisa que diria acerca do homossexualismo: não concordo, não gosto (mas nem por isso vou dexar de ser amigo de quem é ou simpatiza) e acho que tenho o direito de discordar e não gostar, mas quem quer fazer, ser ou ouvir, que faça, seja, ouça, â vida é dele, desde que não se crie leis que criminalize quem discorda.
    é concordo com ele apesar de eu relacionar funk com os fdp daki ond moro, foi o principal motivo pra critica assassina HAHAHA xD o outro foi sua posição tbm agressiva sobre o renatim. é isso

  14. 22/10/2010 às 20:17 | #65

    Desculpe o duplo post, mas (ae troll tah sem o i) já que é para aderir a uma postura analítica da situação, você já iniciou sua tréplica com adjetivos como: Infeliz, e “Idiota” o que faz você entrar em contradição, e essa não é a unica vez que isso acontece, como você disse anteriormente;
    Inicialmente me ocorreu a idéia de dar uma sacaneada no pobre, chamando ele de burro pelas pérolas proferidas. Do tipo: -”células rítmicas tonal”.
    Mas não vou. Pelo menos não tanto quanto ele merece. E digo mais, eu até entendo um pouco ele.
    Se ocorreu a idéia de “dar uma sacaneada no pobre” chamando ele de burro, você deveria reler seu post e questionar seus conhecimentos musicais visto que ritmo é uma combinação de valores das notas dispostas no tempo em que são executadas;
    no caso um movimento ou ruído que se repete no tempo, a intervalos regulares, com acentos fortes e fracos e/ou sucessão de movimentos ou situações que embora não se processem com regularidade absoluta, constituem um conjunto fluente e homogêneo no tempo tipo o agrupamento de valores de tempo combinados de maneira que marquem com regularidade uma sucessão de sons fortes e fracos, de maior ou menor duração conferindo a cada trecho características especiais é necessariamente um ritmo, sendo assim o funk tem um ritmo próprio porem não agradável aos ouvidos (bons ouvidos), esclarecendo melhor eu comi algumas palavras que causou a má interpretação do meu texto, na realidade eu queria dizer que o que você disse sobre ser tonal ou modal, um tom significa a altura de um som: tom grave, tom agudo, e é medido em Hz tonalidade. intervalo de 2a M formado pôr dois semi tons. altura de um som na escala geral dos sons: o tom diapasão oficialmente adotado é o lá de 440 vibrações duplas pôr segundo. no sistema tonal clássico é a escala ditônica em que está escrito um trecho musical; a palavra tônica deve preceder o nome da tônica dessa escala e o respectivo modo; sendo assim eu posso dizer que se funk for música (arte de combinar sons de uma maneira agradável) é uma música rítmica e não tonal mesmo porque se fosse considerado o conceito sobre tonalidade seria o gênero musical mais desafinado da história, não sei muito sobre música, toco guitarra a pouco tempo e toco bem mal comparado aos grandes nomes do rock, e não esclareci sobre harmonia bom a harmonia é a combinação de sons simultâneos enquanto a melodia é a combinação de sons sucessivos, acorde, solo no caso da guitarra, moro em um suburbio porem de classe média alta o que não me conformo é pessoas com carros caros casas grandes e boa alimentação roupas “de marca” ouvirem funk e vim dizer que é a realidade deles, sim me incomodam e incomodam a outras pessoas com seus mpX no volume máximo onde palavras como “buceta, vai sentando, balança o cu na vara e chãox9999 seguido daquele ritmo perfeito” é super irritante :D, meu gosto musical é metal, sem sub gêneros eu gosto do metal nem por isso incomodo a outras pessoas com a música que ouço, inventaram o fone de ouvido \o/, bom eu não os classifico como lixo eles mesmos o fazem, geralmente quando ele se auto-denigrem com o funk, você disse:

    Porque pensar e ter gostos diferentes é normal.
    Falta de respeito pelos outros não.
    Você faltou com respeito quando me rotulou de infeliz etc… \o/
    Contradição win!

    Você também disse:

    Eu queria aproveitar e pedir desculpas pelo dito a você, Renato, no comentário anterior
    :”sua postura etnocentrica/preconceituosa/facista/mal informada.” Depois, relendo, achei muito agressivo e não era minha intenção. Eu não queria te ofender e só escrevi aqui porque achei seu texto digno de resposta. Normalmente eu não me daria esse trabalho.

    Para quem normalmente não se daria ao trabalho você está bem focado nesse tema. O O ciclo vicioso muito mais danoso que qualquer letra de duplo sentido ou sentido explícito não irá se repetir comigo, em vez de estar “fumando maconha, ouvindo funk pra paga de mano” estou estudando para um curso técnico de rede de computadores, tenho formação em informática básica, web designer, 3D Studio 1 e 2 e AutoCad 1 e 2, isso aos 11 anos de idade, sobre o que você escreveu:
    No fim das contas, a insignificância do Hector é sua maior sorte.
    O perigo, é que outras pessoas façam coro com ele.
    WOW! aprendeu comigo não foi, qual a diferença de chamar uma pessoa de lixo ou de insignificante?, seu discurso serve para você mesmo, bom não sei o que significa “fazer coro de alguém” eu não tenho ensino adequado, se você puder me explicar eu ficaria grato, ah uma sociedade de Hectors hahaha, você fala de mim na 3º pessoa de forma como se eu fosse uma espécie diferente da sua haha “eu que sou nazista” a eu realmente não gostaria de viver em uma sociedade de pessoas iguais a mim pois é na diferença que você ganha destaque, se não houvesse trevas você não saberia o que é luz, sobre eu aprender a escrever sim eu vou procurar escrever melhor ^^

  15. NXTaker
    19/11/2010 às 12:35 | #66

    Funkeiro e bandido da na mesma pra mim…

  16. Breno
    01/12/2010 às 2:58 | #67

    funk é cultura… de bandido, de vagabundo, de puta, de muleke e de tudo conté merda que existe no rio de janeiro, que alias foi de lá que veio essa merda que eles chamam de musica.

    • 23/04/2012 às 17:22 | #68

      quem disse que o funk e coisa de negro de favelado de pobre quem fala isso devia fechar o c…. pois tem muitos filhinhos de papai e de mamae que curti o funk os preconceituosos nao dizem que o funk e coisa de negro de favelado mas quando toca nimguem fica parado……. PORRAAAAAAAAAAAAAAAAAA.

      • Marco
        23/04/2012 às 17:48 | #69

        Ô, Vanessa, imbecil, você não sabe nem argumentar. Cala a boca que você já perdeu.

      • Rick
        16/01/2014 às 11:14 | #70

        EU NÃO FICO PARADO NÃO, EU VAZO É LOGO DALI! SE VC GOSTA, INDEPENDENTE DE SER FAVELADA OU PATRICINHA, VC É PUTA E VAGABA DO MESMO JEITO, MELA PAU DE VAGABUNDOS!

  17. 03/12/2010 às 20:12 | #71

    Funk não é música, nunca vai ser. Quem curte funk é filho da …. ou favelado .

    • douglas henrique
      28/06/2011 às 21:19 | #72

      ai minha querida ja sei porque vc nao gosta de funk e porque vc nao tem nem bumda e nem coxa por isto e funk e so pra popuzudas uma coida que vc nunca vai ser sua reta beijinhos

      • rone
        09/01/2012 às 12:48 | #73

        Sera que voce aceitaria sua irma ou sua mae rebolando mostrando o rabo dancando funk

      • TheKid
        04/06/2013 às 12:02 | #74

        Primeiro me diga quando uma mulher é uma reta,e depois eu argumento com você

  18. Christiano
    27/12/2010 às 22:29 | #75

    Pra começar, “isso” que chamam de Funk, nem é Funk. Pra quem não sabe, Funk ( o original, não aceite imitações ) é música de altíssima qualidade. Earth, Wind and Fire que o diga. Isso, não passa de uma colagem de mixagens intermináveis, uma batida repetitiva e um bando de fulanos e fulanas, sem NENHUM talento, que não tem a menor condição de cantar nem debaixo de um chuveiro, muito menos para as massas ( Mc Créu ( e seguidores ) que o diga ). Qualquer mané, com um Pc razoável e um programinha ( piratex, mesmo, baixado da internet ) + razoável ainda, pode se intitular “Mc”. Após isso, chame umas coxudas bundudas vestindo micro saias e minúsculos tops e ponha as mesmas pra sacolejar os traseiros, e pronto. Você é oficialmente um “Mc”. Sobre achar isso que a galera do Rj chama de Funk um lixo, eu acho um lixo, porque realmente é um lixo. E não posso sofrer nenhum tipo de represália, pois não se trata de preconceito, pois preconceito nada + é do que um conceito PRÉ estabelecido. Alguém que faz ou diz algo sem conhecimento algum sobre aquilo. Por exemplo: é preconceito você olhar para um árabe na Times Square, e achar que ele se explodirá, e a todos os que estão ao redor dele. Como fazer tal julgamento, se você sequer conhece o sujeito? Nem todos os árabes são terroristas, sabia? Aliás, esses idiotas, são minoria. O povo árabe, é um povo acima de tudo, sofrido. Ora pela pobreza, ora pela fé, que os bitola e os cega quase que totalmente, pois o tipo de fé que eles exercem, é uma fé extrema, que os fecha para o resto do planeta e para o resto das demais coisas. Pois é! Preconceito, é o exemplo do árabe na Times Square, citado acima. Isso é um exemplo de preconceito. Quando digo que o Funk ( carioca ) é lixo, não é preconceito, é apenas uma citação do óbvio. Além disso, já ouvi diversos “Funks”, portanto, não estou fazendo pré julgamento algum, tendo em vista que conheço o que estou dizendo. Ah, outra coisa: é preciso parar com essa babaquice, de que se eu não gosto do que você gosta, eu sou preconceituoso. Só que por uma questão de bom senso, o óbvio, não pode ser ignorado. Além de em 90% dos casos, não haver NENHUM trabalho vocal ( Mc Créu que o diga ), tampouco instrumental, e menos ainda não ter absolutamente nada de cultural que envolva este BARULHO que muitos chamam de Funk, existe o problema das letras. Eu, apesar de não ser músico, tampouco ter estudado 0,001% sobre o assunto, como o nosso ilustre amigo, profundo conhecedor do assunto e crítico musical Marcelo, acho que música, deveria, por ser um “instrumento” de MASSA, ter mensagens positivas. Não só o funk apela, mas muitos(as) cantores(as), até consagrados, apelam para esse bla bla bla sem fim do tipo: “eu sei que vou te amar, vamos nos beijar, vamos fazer amor até o dia clarear”, etc… Se o Funk apela para o sexo, esses outros aí, apelam para a baboseira “metade da laranja”, para vender, encher os bolsos deles(as) e das gravadoras. Acho que a coisa chegou aonde chegou, por um grande excesso de liberdade. Acho que deveria, sem querer dar uma de ditador ou qualquer coisa parecida, haver algum tipo de censura. Não só para o Funk ( carioca ), mas para qualquer coisa que viole a moral e os bons costumes. Não sou moralista ( todo moralista é um(a) chato(a) ), mas estamos descendo para um nível baixo demais. Meninas de 12, não tem mais inocência alguma. A sacanagem tá d+… Pra achar uma mulher DECENTE, só gastanto MUITA, MUITA sola de sapato. E grande parte disso, se dá às novelas, filmes e esse tipo de “música”. Vê se na China é esse BUNDALELÊ que é aqui? Não sou a favor do tipo de regime que existe na China, mas acho que o governo deveria impor algum tipo de censura sobre toda e qualquer coisa que cause danos aos valores morais e éticos, pois se por um lado a tirania não é bem-vinda, por outro lado, o EXCESSO de liberdade também é altamente nocivo a uma sociedade, e tenho plena certeza de que um dos fatores que contribuiu bastante para chegarmos ao ponto baixo que estamos, se deve ao EXCESSO liberdade, seja a dada pela família, seja concedida pelo governo. E tenho dito!

  19. Lethicia
    18/01/2011 às 12:13 | #76

    FUNK É VIDA.
    Se vocês nun curti,o problema é de vocês,mas tbm não precisa ficar criticando o funk vlw. (y)

    FUNK É CUTURA SIIM.

    • Diego
      02/09/2011 às 23:21 | #77

      Do ponto de vista filosófico, cultura é tudo aquilo que o homem produz. A bomba atômica também uma cultura.

    • rone
      09/01/2012 às 12:50 | #78

      Certo quando tiver uma filha coloca funk pra ela ouvir desde criança quando ela crescer vai achar normal ser chamada de vadia cachorra etc mae solteira viciada etc vc nao podera cobrar nada dela

    • 06/09/2013 às 13:23 | #79

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK SE MATA GURIA !

    • Rick
      14/01/2014 às 23:48 | #80

      COITADA, VC TÁ É CHAPADA, ESSA É A SUA VIDA E SUA CULTURA!

    • Gabriela
      23/01/2014 às 20:42 | #81

      Olha você deve ser uma funkeira..
      Eu tenho pena de você e de seus futuros filhos..Isto é se você já não tiver nenhum.

  20. Delfino
    20/02/2011 às 17:25 | #82

    Pessoal,
    Não aguento mais essa porcaria de funk. Essa merda me fez até tirar o som do carro, de desgosto. Aqui na minha rua, a madrugada inteira passam carros, que os motoristas não respeitam a lei do silêncio, ouvindo (ou melhor) obrigando que os outros ouçam, essa porcaria em alto volume. A impressão que dá, que nem mesmo eles suportam, mas querem se mostrar para as menininhas. O engraçado é que só muda a letra, mas a droga do som é a mesma.
    Parece que o mundo vai ter que acabar e começar tudo de novo para ver se dá jeito, porque por enquanto está perdido. Funk é cultura de babaca.

    • Rick
      14/01/2014 às 23:51 | #83

      SE PUDESSE MANDAVA TIRO DE BAZUCA NESSES VAGABUNDOS QUE PASSAM DE CARRO TOCANDO ESSA MERDA EM VOLUME ALTO! E AINDA MAIS DE MADRUGADA . . PQP!!!!!! MANDAVA-OS PRO INFERNO!!!!!!

  21. caio
    23/02/2011 às 15:48 | #84

    comentario de breno: “funk é cultura… de bandido, de vagabundo, de puta, de muleke e de tudo conté merda que existe no rio de janeiro, que alias foi de lá que veio essa merda que eles chamam de musica.´´

  22. 08/03/2011 às 16:44 | #85

    FUNK É UMA MERDA DEVERIA TER PROIBIDO A MUITO TEMPO
    BANDO DE MARGINAL QUE ESCUTA ESSA DROGA
    TENHO MUITA VERGONHA DE SER BRASILEIRO
    POR ESSAS E POR MUITAS MAIS COISAS

    • Rick
      14/01/2014 às 23:57 | #86

      SE EU FOSSE UM HITLER DOS TEMPOS MODERNOS EU EXTERMINAVA TODOS ESSES FUNKEIROS DE MERDA E TODOS ESSES BANDIDOS VAGABUNDOS TRAFICANTES! LIMPAVA O BRASIL DESSA ESCÓRIA DE MERDA ESCROTA E AÍ SIM ISSO SERIA UM OUTRO PAÍS, MELHORARIA EM TODOS OS ASPECTOS!

  23. PATRICK
    13/03/2011 às 15:06 | #87

    A REALIDADE ESTA AÍ SÓ NAO VÊ QUEM NÃO QUER.O FUNK É UMA MERDA,UMA PUTARIA SEM FIM,GOSTARIA MUITO DE TER PODER PRA ACABAR COM ESSE LIXO DO DEMÔNIO.A MAIORIA DOS FUNK SÓ FALA OU INSINUA AO SEXO SEXO E SEXO SÓ GIRA EM TORNO DISSO.MAS UM DIA DEUS VAI ACABAR COM ESSE LIXO.

  24. renata
    25/04/2011 às 16:31 | #88

    FUNK é um lixo, letras ridículas, de péssimo gosto, tenho pena das mulheres que fomentam este lixo, se acham poderosos sendo chamadas por tantos nomes pejorativos, sendo depreciadas em público e depois querem ser respeitadas…cachorra, égua, potranca é a mãe de quem inventou isto…isto nunca foi e nem será música, cultura..não é nada além de lixo…

  25. William Lima
    01/05/2011 às 13:59 | #89

    O funk é somente o lixo da humanidade, pessoas sem capacidade para brilhar em outros estilos musicais, tão somente só se vê “drogados” e “mulheres desfrutáveis” envolvidas com esse “estilo” de musica.

    • Rick
      15/01/2014 às 0:00 | #90

      NÃO SEJA MODESTO, MEU AMIGO! SÃO MULHERES PUTAS, PIRANHUDAS E VAGABUNDAS MESMO, DAQUELAS QUE DÁ O ** PRA ESSA VAGABUNDADA!

  26. Alexandre
    01/05/2011 às 18:00 | #91

    Para todos voçês que pensam que issso que dizem ser musica”funk”vulgo (“lixo cultural”)coloquem suas mães ou filhas para curtirem essa merda.

  27. 18/06/2011 às 20:58 | #92

    Concordo plenamente com o texto do Renato sobre o Funk como lixo da sociedade, não pelo gênero musical pois aí esbarramos no gosto pessoal de cada um, mas através das letras pejorativas ouvidas por toda sociedade principalmente pelos jovens, sendo uma influência muito negativa para suas vidas. Estas letras são uma degeneração dos valores sociais, acredito que fica difícil desejarmos uma sociedade mais humana e consciente ensinando nossos jovens a violência, a pornografia e o crime.
    Sou Psicóloga – Orientadora de Pais na Educação dos Filhos.

  28. Denyilson
    22/06/2011 às 12:53 | #93

    funk é uma bagaça truta, começa a escuta eletro ae, que voces ganhão mais :]

    • douglas henrique
      28/06/2011 às 21:04 | #94

      ai era so o que me faltavca troca o funk de mexa a bumda para ficar pulando igual um louko

  29. Maria
    28/06/2011 às 18:04 | #95

    Funk carioca não surgiu do funk norte-americano

  30. douglas henrique
    28/06/2011 às 20:55 | #97

    vcs calam e boca antes de falar do funk eu adoro funk e a minha vida e sevcs quiserem transarem e so ir no funk e vida e pra ser vivida ta seus ha

  31. célio
    30/06/2011 às 21:32 | #100

    concordo,o funk não faz parte de cultura e ainda faz parte da musica popular brasileira.

  32. Wash
    15/07/2011 às 22:18 | #101

    Grande texto amigo, mostra com clareza a sua riqueza de caráter. Funk é o lixo do lixo, só pessoas sem um grama de massa encefálica se requebram ao barulho desta droga. Indivíduos analfabetos que fazem rimas ridículas sem nexo algum, falam errado, promovem saudações a facções criminosas como o PCC e o Comando Vermelho, fazem apologia ao uso livre de drogas e do sexo sem limite e segurança. Que tipo de “música” é essa eu pegunto? Saudade do militarismo, em outros tempos esses caras já estavam presos ou mortos em uma vala qualquer, fazendo apologia deste lixo no quinto dos infernos.

  33. André
    04/09/2011 às 1:02 | #103

    Sei la, não gosto de Funk (mas não critico), eu axo Sertanejo Universitario publicitario e só sem conteudo algum (e ainda tem uns carinhas desafinados demais). Eu curto Ed Motta, uma bossa nova, mas num é pq eu gosto de ouvir uma coisa que vou sair por ai kerendo mudar o gosto de outros, não gostou da carne ?? como só as batatinha!!!
    musica é cultura tem Funks bons e bossas ruins não carcterize genero, ouça a musica Claudinho e Buchecha cantavam um Funk pra la de legal, se não der pra respeitar o gosto de outras pessoas vamos ser pelo menos educados, se chegou a vc como lixo é pq sua orelha é a lata! em outros ouvidos chegou como felicidade quem saiu perdendo…vamos respeitar pessoal só isso!

  34. WSS
    06/09/2011 às 14:51 | #104

    A batida do funk é chata e irritante, as pessoas envolvidas apresentam comportamento leviano, com desrespeito com as mulheres que hj são tratadas de “cachorras” nas rua graças a esta “cultura”. Causa também uma depreciação no carater das pessoas , já que banalizam o sexo através de erotismo exageran e gera mais problemas sociais no nosso país. Prestem atenção : Não é apenas uma brincadeira sem consequências….sem contar que associado a bebidas e drogas se torna “perfeito” .O funk é uma merda , prejudicial para a sociedade : crianças , adolescentes e idosos.É isso !!!!!!

  35. Maria Santos
    08/09/2011 às 23:47 | #105

    Não é preconceito, é conceito: Funk não é musica é lixo ! Para compar: É crac, uma merda que vicia quem não tem capacidade de raciocinar.

    • I.Almeida
      09/09/2011 às 17:53 | #106

      Maria Santos eu concordo com vc, não consigo imaginar no que o FUNK pode trazer de útil para nossa cultura, alias não serve para país nenhum, é impressionante como alguns brasileiros valorizam tanto o que não presta? Funk não é musica, é o cúmulo do mal gosto!

  36. Midgard
    26/09/2011 às 7:18 | #107

    Concordo plenamente com vcs funk é um completo lixo, eu não entendo como alguém pode gostar desse tipo de musica(nem pode ser chamado de música), qualquer idiota com um microfone e duas mulheres balançando a bunda se chama de funkeiro.. olhem esse video no youtube e me digam se essa porcaria é música: http://www.youtube.com/watch?v=H4RvD85RsZM . O pior é que Funk aparece toda a hora na midia, já to até vendo abertura da copa de 2016 com funk como música tema kkk(pior que não duvido).

  37. Marco
    30/09/2011 às 16:10 | #109

    Carta aberta ao Sr. Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

    Prezado senhor Secretário,

    É com extrema indignação e tristeza que venho à presença de vossa senhoria comunicar fatos absurdos de violência e desrespeito à cidadania e ordem pública. Sou morador de área de periferia urbana, localizada na capital da cidade de São Paulo. É comum que essas regiões careçam de melhor infraestrutura e investimentos nas áreas da educação, saúde e lazer, mas não são esses, em instância, os motivos que me trazem à presença de vossa senhoria.

    Ocorre que, devido à falta de respeito básico e o mínimo bom senso, a convivência entre os habitantes dessas regiões tem se tornado a cada dia mais difícil, tensa e violenta. Pessoas de bem estão sendo violentamente privadas de direitos básicos, como o de ir e vir, o respeito e até a necessidade fisiológica do sono e descanso. Inúmeras pessoas trabalham duro e estudam todos os dias da semana, enfrentando o transporte público precário, o trânsito caótico e o cansaço, para pagar as contas, manter suas famílias e construírem seus lares, que são o seu refúgio, seu “porto seguro” para as poucas horas livres que sobram à noite e aos finais de semana. É nesses momentos que as pessoas tentam descansar e ter um pouco de paz e lazer junto a sua família.

    O cidadão de bem já convive há inúmeras décadas com a violência urbana crescente, gerada pelas drogas, corrupção e ingerência pública. Todos esses males, embora sejam por si só inadmissíveis, não agridem, pelo menos de forma sistemática, o direito ao sono e o descanso. Mas é literalmente impossível manter qualquer atividade laboral diária necessária ao sustento próprio, bem como realizar, em domicílio, estudos universitários ou pesquisas escolares necessários à manutenção de atividade escolar ou acadêmica, sem que o cidadão disponha de condições ambientais adequadas ao seu sono e descanso. A expressão “perturbação do sossego” é insuficiente, é ínfima, soa até cínica ou irônica se for utilizada para descrever o que vem ocorrendo em larga escala por toda a cidade de São Paulo, com maior intensidade nas áreas periféricas. Não vou nem citar as leis constitucionais vigentes acerca do assunto, pois seria perda de tempo e motivo de risos aos transgressores das mesmas.

    Som alto, barulho, violência e baderna são algumas palavras que vou utilizar apenas para começar a falar de “funk”. Não é só o barulho, não é só o nível do volume, não é só o desrespeito. É uma gama de comportamentos visíveis nos palavrões, xingamentos, apologias, dialetos, ameaças e gemidos nojentos que são vociferados aos berros nessas… manifestações sonoras. É a atitude agressiva e desrespeitosa de quem invade o espaço, o ouvido e o direito alheio para impor e enfiar “goela abaixo” suas vaidades e futilidades.

    Eu não precisaria nem entrar no mérito da qualidade do produto denominado “funk”, pois mesmo o ato de reproduzir música de verdade de qualquer gênero a pleno volume e em qualquer horário, invadindo o espaço e a privacidade alheia, individual ou coletiva, deveria ser considerado crime. No entanto, é no mínimo curioso que a grande maioria das ocorrências referentes à “perturbação do sossego”, por assim dizer, envolva indivíduos que ouvem “funk” (em volume alto ou no nível máximo, sem o uso de fones de ouvidos) no interior de ônibus, estabelecimentos comerciais, órgãos públicos de serviço à população, vias públicas, automóveis (com ou sem caixas acústicas no porta-malas), residências (com as caixas acústicas direcionadas para a rua), etc.

    É poluição sonora constante durante todo o dia, pois há no comportamento desses indivíduos a necessidade constante de ostentar, incomodar e agredir a paz e a dignidade alheia por meio dessa prática. Não faz sentido nenhum para esses indivíduos respeitar o “direito alheio de não querer ouvir”, pois o objetivo primordial por trás da “brincadeira do funk” é a vaidade distorcida do status, da ostentação, promiscuidade, transgressão e notoriedade por intimidação, os quais necessitam da reprovação, incômodo e sofrimento alheio para serem alcançados. Ninguém entendeu ainda que não se trata de uma manifestação cultural como tantas outras, que respeita os grupos alheios, as mulheres, as crianças, e requer o mínimo de desenvolvimento intelectual e civilidade.

    Salvo a “confraternização social” e “lazer” a que se forja, o “funk” se esforça em propagar o crime, a promiscuidade, a decadência moral e a deturpação moral e ética em vários níveis. Nota-se, pelo conteúdo da expressão e pela forma compulsória e agressiva como a manifestação físico-sonora se dá, o eminente interesse em fazer com que todos ouçam, a qualquer hora do dia ou da noite, agressões gratuitas à sua dignidade, honra, valores e, principalmente, ao direito que cada pessoa tem de “não querer ouvir”. Nunca presenciei tamanha afronta e agressão física e moral contra a pessoa e a família.

    A Polícia Militar do Estado de São Paulo recebe inúmeras reclamações relativas a “som alto”, principalmente originadas das áreas mais afastadas do centro da capital. É triste observar como o tratamento dispensado pela Polícia muda de acordo com a região. Na região onde moro, desde 2006 a agressão do “funk” vem crescendo e dominando as noites de sexta-feira e finais de semana a cada ano. O som é cada vez mais alto e agressivo aos moradores, que querem dormir ou desenvolver simples atividades no interior de suas residências. Cancela-se o filme, a leitura, a conversa, o telefonema, o estudo, a visita… cancela-se até uma noite inteira de sono e descanso por causa de vagabundos tocando “funk” e praticando inúmeras barbaridades na rua, bares e até em áreas externas de suas residências. E não adianta fechar nossas portas e janelas, pois o barulho é produzido com o objetivo de se fazer ouvido por todos, em qualquer parte da casa, da rua ou do bairro. Crianças, idosos, doentes, portadores de necessidades especiais, absolutamente todas as pessoas de bem são agredidas moral e fisicamente por esse ABSURDO que alguns insistem em chamar de “lazer” ou “cultura”, a exemplo do Sr. Dafne Sampaio, almofadinha hipócrita que certamente não passa por esse problema.

    No dia 21/09/2011, em noticiário exibido na parte da manhã pela tevê Record, o jornalista Sr. William Travassos, pessoa que admiro pelas observações coerentes, comentou reportagem referente ao absurdo do baile “funk” no Itaim Paulista. O profissional se equivocou ao afirmar que “não estamos querendo acabar com o único lazer do povo pobre da periferia”. Disse ainda que os “os coitadinhos” [alcunha atribuída por mim] precisavam de lazer. Lazer? Pobre? Como assim “pobre”? Praticamente todos os jovens que promovem esse tipo de baderna na rua têm pelo menos uma motocicleta de 150 cilindradas sempre nova. Isso pra dizer o mínimo, pois grande parte deles possui carros potentes e customizados com itens de luxo, peças e aparelhagem de som das mais caras. Tudo pela ostentação, sensação de poder e, claro, reprodução de “funk” no maior nível de volume possível, especialmente no período noturno. É comum ver jovens de 16 anos que nunca trabalharam na vida desfilando de Hyundai Tucson, VW Golf, Fiat Stilo, entre outros, além de motocicletas potentes caríssimas, pelas ruas do bairro. Dizer que esses vagabundos precisam de lazer é rir da cara do trabalhador honesto, que precisa suar e trabalhar por anos se quiser ter a possibilidade de comprar – em muitas parcelas – uma casa ou um carro.

    Diga-se de passagem, quem não tem lazer é a pessoa de bem que, como já dito, tem o interior de sua casa invadido e estremecido por esses “gemidos e ameaças” todo o tempo. O que esses jovens precisam é de família, vergonha na cara e trabalho honesto. Há demasiada disposição e saúde para a realização de roubos, sequestros, homicídios, explosão de caixas eletrônicos e todo tipo de crime e violência. Já para trabalhar honestamente, há discursos batidos, desânimo, preguiça, acomodação, orgulho (!), vergonha, justificativas fáceis, hipocrisia, etc.

    Obviamente, os moradores agredidos recorrem a diversos meios para resolver o problema, há pedidos ao emissor do barulho, solicitações educadas, brigas, discussões e o acionamento da Polícia Militar por meio do telefone 190. Embora haja o empenho e o trabalho belíssimo de parte da Polícia Militar na resolução do problema, como, por exemplo, os esforços do Comandante do CPAM-6 (Comando de Policiamento de Área Metropolitano), responsável pelo Grande ABC, coronel Roberval Ferreira França, na grande maioria das vezes, a Polícia simplesmente não atende aos inúmeros chamados destas tantas regiões periféricas há anos e o ABSURDO se perpetua.

    Na maioria das vezes, a Polícia Militar alega que há outras ocorrências de maior urgência a serem atendidas e que não “sobram” unidades para atenderem as ocorrências envolvendo “perturbação de sossego”. Mas é sempre essa mesma “desculpa” há anos! Não vou entrar no mérito dos inúmeros casos de propinas pagas a policiais corruptos, sobretudo nas áreas mais pobres, porque acredito que não haja solução, pelo menos em curto prazo, para este problema, e talvez nunca haja. Então peço, encarecidamente, em nome de todas as pessoas de bem desta cidade, que providências sejam tomadas para garantir que ao menos o direito ao sossego público seja poupado e que, apesar da violência, do tráfico e da corrupção, o cidadão de bem e sua família possam ao menos ter seus direitos à privacidade e ao sono preservados.

    Falo em agressão física porque a propagação do som é física e sonora, fazendo vibrar em maior ou menor grau as paredes e vidros das janelas, assim como os interiores das casas próximas ou até relativamente distantes da fonte sonora. Agressão física porque envolve o órgão auditivo duplo (ouvidos), cuja função não pode ser “desligada”, estando involuntariamente exposto aos riscos ambientais sonoros advindos de fontes externas, mormente quando a reprodução do som é deliberadamente dimensionada no sentido de prejudicar e impedir o sono, o sossego e o descanso alheio, por meio de sua reprodução em número de decibéis muito acima daquele permitido por lei. Agressão física e também moral porque “funk” gera estresse e incentiva a violência contra a mulher, a criança e o cidadão comum, além de exercer clara apologia às drogas, ao crime, à prostituição e, indiretamente, à pedofilia.

    Absolutamente ninguém pode ser obrigado a ouvir, involuntária ou deliberadamente, de dentro de sua própria casa, gritarias, gemidos, ameaças, xingamentos de toda ordem, batidas e barulhos estridentes e graves, acompanhados de efeitos sonoros irritantes e expressões repetidas à exaustão, por longas horas do dia e da noite, as quais, só pra citar alguns exemplos, vociferam aos berros termos e expressões como: “novinha, ela dá pra nóis que nóis é patrão, vô morá no cabaré, hei, cabarééé, hei, cabarééé, tá tarada, tá tarada.., ai meu cu, ai meu cu, ai meu cu, senta, senta, senta, ô djow, ô djow, ô djow, ô djow, rebolaaaaaannndo, o pai pensa que ela é virgem, mete encima, mete embaixo, mete em cima, mete embaixo, vai começá a putaria, putaria vem, putaria vem, orgia, orgia, orgia, sua mulher dá pra mim, eu vô lambê teu rêgo, etc., etc. e etecetera.
    NINGUÉM PODE SER OBRIGADO A OUVIR ESSA AGRESSÃO! ISSO É UM ABSURDO SEM TAMANHO! Recado aos filhos e filhas das classes mais abastadas que ajudam a promover essa baixaria, se exibindo em carrões, barzinhos e festinhas de faculdade regadas à “funk”, bebidas alcoólicas e drogas: larguem de ser HIPÓCRITAS! Vocês não precisam trabalhar e não passam por isso, mas quando são incomodados por “perturbação de sossego” ou atingidos por assaltos, sequestros e homicídios, logo recorrem à Polícia e à Justiça, exigindo seus direitos [que todos merecem ter] e lamentando a falta de civilidade, respeito e bom senso entre as pessoas. Larguem de HIPOCRISIA! A ordem pública, o respeito e a civilidade entre as pessoas são bens da sociedade que não podem sucumbir à força de nenhuma vontade unilateral nociva. A arte, a diversidade e a democracia são ideais de uma sociedade livre, pacífica e desenvolvida, que pode [e deve] se expressar livremente e evoluir sem a necessidade do conflito, do desrespeito ao direito do próximo e da violência. Paz a todos.

    Um paulistano.

  38. Gamayerv
    03/10/2011 às 10:27 | #110

    MUito valido o comentario , porem ressalvo que :
    1 ) Esse tal “funk” q vc diz , nem funk não é .
    2) Isso não é música , e apenas uma aberração como tantas outras nesse país de merda
    3) As mulheres brasileiras adoram o tal funk pois infelizmente na nossa cultura decadente e miseravel , aonde uma professora tem menos valor que uma Puta safada , aonde um traficante cheio da grana vale mais pra sociedade do que uma pessoa sem status mas com caráter . é um meio de fazer “propaganda” e se prostituir indireta ou diretamente. ( feias ou bonitas r… ) E sexualização das mulheres é um termo meio ingênuo , aliás nao tem ser mais SEXUAL do que a mulher nesse país , é só vc andar pelas ruas é sacar do que as mulheres mais conversam ??? homens sexo , poder etc…. Infelizmente nao vejo as mulheres brasileiras de forma alguma como “v´itimas” kkkkkk …estamos em 2011 amigo.

  39. Matheus
    09/10/2011 às 19:24 | #111

    Gosto do funk de alguns anos atras, 10, 15 anos atras, do Mc Marcinho também, sempre levantou a alto-estima da camada mais pobre da sociedade, sempre deu valor às mulheres, insinuava sim o “sexo”, mas de uma forma mais sadia, pois como todos sabem, sexo é vida, é saude, e não a por que fugir dele, mas nunca banalizou ou deixou a mulher vista de uma forma pornografica ou descartavel.

    esse ritmo que toca hoje em dia, e que tristemente a Globo (que infelizmente, nao podemos negar, faz a cabeça do povo brasileiro) promove atras de ibope, me deixa enojado, terminei com uma garota por causa dessa droga de musica, não suportava ver ela balançando e cantando os refroes dessa desgraça,

    se eu pudesse, pagaria pra poder matar esses tal de mr catra, havaiano…só por que nao conseguem olhar pra mulher de uma maneira diferente, que não seja como a dona de um buceta pra eles meterem, acham que os outros devem ver assim.

    No meu carro não toca esse lixo, sou da periferia, trabalho que nem um cavalo pra poder ter uma vida ao menos, digna, pelo menos ao meu ver, e não me sinto obrigado a ter que aturar esse modismo., e olha que sou ecletico, escuto raça negra, legião, racionais…mas não me sinto em paz se lembro desses funks de agora.

    Mulher que sai comigo e pede pra tocar funk de hoje, sai na proxima esquina (é pq me acho educado, se não, tacava pela janela, no tapa)

  40. Edvaldo
    14/10/2011 às 11:17 | #112

    Achei intereçante, e peguei algumas coisas daki para publicar no meu orkut e msn, se não se importar, qualquer coisa me fala que eu apago ;T

  41. Pasolini
    15/10/2011 às 10:07 | #113

    O funk sempre fez apologia ao trafico de drogas e ao crime, não existe essa historia de funk bom e de funk ruim, o funk nasceu nas favelas cariocas no inicio das décadas de 90, sempre se teve um histórico de associação ao crime furtos, se hoje existe funk menos nocivo para a mente das pessoas e porque veio do mais nocivo.

    funk que nascera no inicio dos anos 90 no rio começou fazendo apologia a furtos, digo isso porque perto da minha casa tem uma dessas juicebox e de vez enquanto algum pela-saco coloca esses funks antigos e ja se percebe que os caras falam de crime e trafico, ouseja sempre se teve um historico de ligação com o crime, não adianta quem é a favor do funk dizer que não más e a pura verdade e procaria e acabou isso impestiou e demoralizou o que ja era estranho ficou ainda pior.

  42. dgata
    19/10/2011 às 15:33 | #114

    todo mundo tem odireitode se expressar como quer eles acharam o funk como forma de expreçao entao devemos respeitar mesmo q nao gostemos

    • Daniel
      21/10/2011 às 12:20 | #115

      Para se ganhar respeito tem que se respeitar o próximo, que é oque esses marginais não fazem, portanto primeiramente eles deviam parar de agredir a sociedade com essas musicas que retratam o crime, a putaria, ao tráfico, depois sim a sociedade deve respeitá-los.

      (Marco, muito bom o testo que vossa senhoria elaborou, eu fiquei admirado)

      • Daniel
        21/10/2011 às 12:22 | #116

        “(Marco, muito bom o testo que vossa senhoria elaborou, eu fiquei admirado)”, neste trecho eu escrevi uma palavra errada, eu quis dizer “Texo”.

  43. Daniel
    20/10/2011 às 21:58 | #117

    O funk é uma música ( se é que pode ser chamado de música) escrota, vulgar, intolerante, irritante e companhia.
    Alguns falam que funk é o “Lixo Cultural”, mais eu digo que o funk não pode ser considerado nem o lixo cultural brasileiro, pois pra mim o samba é!O funk é no máximo as fezes da cultura, eu tenho vergonha de ir para a escola e um monte de marginais que lá abitam escutar essa merda o dia todo, não tem como se consentrar com um marginalzinho escutando essa merda desse funk, eu tenho vergonha de conviver com pessoas nessa sociedade hipócrita que não bane esse lixo.
    Por fim digo que: ROCK ETERNO, FUNK PRO INFERNO!!!

  44. D
    21/10/2011 às 11:33 | #118

    Você diz mc lon, eu digo Guns n’ Roses

    Você diz mc catra ( nome feio do caraio), eu digo System Of a Down

    Você diz mc luan, eu digo Aerosmith

    Você diz mc zói de gato ( nem sabe escrever essa pora), eu digo Pitty

    Você diz mc pocahontas ( é m vadia, uma puta) , eu digo The Beatles

    95% dos adolescentes dos dias de hoje ouvem esse lixo. Mas temos no mundo pessoas que escutam musica de verdade,

  45. Marco
    22/10/2011 às 11:57 | #119

    Daniel :
    “(Marco, muito bom o testo que vossa senhoria elaborou, eu fiquei admirado)”, neste trecho eu escrevi uma palavra errada, eu quis dizer “Texo”.

    Agradeço a atenção e paciência por ter lido o texto. Considero essa discussão muito importante para todos. Obrigado.

    • Daniel
      25/10/2011 às 19:08 | #120

      Funk de hoje nunca teria que ter existido, eu gosto de funk, mais o verdadeiro, o dos EUS, o do Brasil é só mais um lixo da “cultura” brasileira.

      Marco mais uma vez o texto ficou ótimo, parabéns ;)

      • Daniel
        25/10/2011 às 19:09 | #121

        eu quiz dizer EUA, é que no not bool fica meio difícil escrever

    • 12/02/2014 às 13:00 | #122

      graças a Deus eu tenho um filho adolecente e consegui ensinar ele q o funk e um lixo, uma merda, um desrespeito a mulher, um objeto sexual de pouco valor…e ele ODEIA FUNKEIROS…mair desejo da minha vida se realizou..

  46. 07/11/2011 às 15:44 | #123

    o funk faz mal para o universo todo!

  47. Mauro
    22/11/2011 às 23:45 | #124

    As vezes na sala com minha esposa comento sobre boas musicas dos anos 70 , 80 e 90 de arranjos musicais dos mais variados estilos(inclusive o verdadeiro Funky Music).Dai para relembrarmos algumas delas cantamos alguns trechos.Agora quem gosta do tal lixo sonoro, imagine-se sentado no sofá com sua esposa um dia comentando “lembra daquela-Na cabeça da piroca” e sua esposa te diz que preferia aquela outra “Na arte do sexo eu dou e esculacho ,dou o cu de cabeça pra baixo”

  48. 04/12/2011 às 21:40 | #125

    Me calei por muito tempo…mas este artigo diz TUDO o que penso.

    Parabéns por sua coerência Renato!

  49. Fernando Castillo
    11/12/2011 às 11:42 | #126

    O “gostar de funk” é um indicador infalível da falta de maturidade cultural e emocional de um indivíduo. Quando vejo uma pessoa ouvindo funk, juro, fico com muita pena, pois sei que ali há um ser humano com infinitas possibilidades, mas que se conformou com a mediocridade e que jamais será capaz de ter um bom papo, pensar sua vida, desenvolver idéias, apreciar um bom livro, um bom filme, uma música de qualidade, enfim, desfrutar do que há de mais nobre na raça humana. Fico triste, SINCERAMENTE!

  50. João
    15/12/2011 às 12:11 | #127

    Gosto cada um tem o seu e eu respeito isso, o que me deixa nervoso as vezes é quando passam por mim com um som num volume muito alto; eu ouço minhas músicas com fone de ouvido e não incomodo ninguém, por que a maioria não tem essa educação? Apesar de que em 90% dos casos são funk, não são só funkeiros que incomodam, Não estou reclamando dos funkeiros e sim dos que incomodam.
    E aquelas caixinhas de som que os adolescentes estão carregando nas ruas pra todos ouvirem o que eles acham o máximo? Eu acho muito ridículo isso.

  51. mr jooo
    20/12/2011 às 0:39 | #128

    Hoje em dia os adolescentes só ouvem isto pelo fato de ser um modismo nada mais,o funk carioca é o pior ritmo ja feito,nem podemos dizer que funk é musica,funk é um verdadeiro lixo,monte de estrume de vaca e uma pitada de favelado.

  52. matheus
    21/12/2011 às 10:09 | #129

    o funk é um ritmo musical.como tantos outros….cada pessoa se habitua a fazer o q quizer…nao concordo cm a expressao “crentes do rabo quente”….isso mostra q o autor é uma pessoa totalmente sem ética…e descuido verbal…..
    eu tambm nao gosto de funk…mas guardo pra mim….
    pense em fazer isso tmbm….

    • Marco
      21/12/2011 às 10:25 | #130

      “cada pessoa se habitua a fazer o q quizer…” Só por essa sua colocação, você já perdeu todo o argumento e credibilidade, amigo. Se liga! O ponto principal não é gostar ou não dessa porcaria e, sim, ser obrigado a ouvir, ser desrespeitado e agredido, justamente porque alguns se acham no direito de “se habituar a fazer o que quiser”. Ou seja, na sua lógica, isso inclui o desrespeito ao espaço e direito alheio. Se você não gosta de funk e guarda isso pra você, por que então muitos dos que gostam fazem questão de não guardarem para si? Ficam nessa coisa nojenta de tentar se autoafirmar e ser notado a qualquer custo. Totalmente sem ética (e argumento) é você.

  53. Silas Santos
    25/12/2011 às 13:34 | #131

    O Funk torna a população brasileira mais burra do que ela já é.
    A grande maioria da população é desprovida de conhecimento, de inteligêcia, e o funk só agrava ainda mais isso. Faz as pessoas se tornarem vulgar, se vestirem mal, com roupas 100% vindas da pirataria. Roupas extremamente feias.
    Eu não entendo como uma ser humano tem coragem de colocar essas bermudas da ciclone, e as vezes colocam a blusa tbm, ficam parecendo que estão vestidos de papelão. E a mania de colocar a meia por cima da calça, é o que eu acho mais absurdo. E como se não bastasse eles colocam uns óculos ridículos da oakley, tdo pirata, um mais feio que o outro,
    Gente sem noção, sem cultura, sem inteligência.
    Coloque un funkeiro pra fazer um vestibular da universidade mais fuleira pra ver se ele passa.
    Eles não tem respeito ao próximo, nem sabem o significado dessa palavra. Ontem eu só consegui dormir 6h da manhã, pq tinha um bando de retardado tocando funk perto da minha casa, numa altura absurda.
    Meu sonho é que o Brasil se liberte dessa praga, o mais rápido possível. Afinal é mto difícil imaginar um país de primeiro mundo onde as pessoas ouvem esse tipo de música. Se continuar assim o brasil nunca chegará a ser esse pais de primeiro mundo que todos sonham, porque as pessoas estão ficando cada vez mais burra, e aonde fica o nosso futuro nessa história?
    Ah, desculpem pelo texto longo. É que eu fico indignado.

  54. 26/12/2011 às 19:47 | #132

    Parabéns pelo texto, tenho nojo do funk. É ridículo o Brasil ainda ser conhecido por isso também… NA REAL, tem muitas coisas boas, muita personalidade mas isso estraga, e o mais ridículo é o que vai aparecer na mídia enfim…
    Os adolescentes então ?! Ahh… TRAGÉDIA ! Não espero que o Brasil seja um país de primeiro mundo, não sou nacionalista também… só quero que O MUNDO tenha mais respeito e saiba o que é música, músicos, e uma composição ! E é algo bem “estranho”, porque até na classe média alta já esta idolatrado essa aberração. Quem tem personalidade tem, quem não tem é influenciado pelo lixo. E NEEEEM VENHAM FALAR QUE É DE “MOMENTO” e diversão, porque eu me divirto muito, faço meu Rock N Roll, que não é moda, quem ama vive… ou seja, SEJA CRIATIVO, faça o seu, viva mas não seja uma merda na sociedade não… porque como muitos sabem, já que é de momento vai embora sem reconhecimento.
    NÃO AO FUNK !

  55. jonas
    04/01/2012 às 17:15 | #133

    vamos resumir oque é funk brasileiro:
    um pedaço de coco que cai no vazo e respinga no cu,fazendo aquela meleca.
    SIMPLES.

  56. rone
    09/01/2012 às 12:30 | #134

    Cada comentario que mesmo com um texto bem elaborado e com todo certeza esta correto existem algumas pessoas que nao concordam acho que simplesmente por falta de capacidade de raciocinio,nao e questao de ter cabeça fraca como o colega comentou ai no forum amigo isso que esta escrito ai e fato a musica influencia no cotidiano das pessoas ninguem e igual a ninguem e muitos seguem oque a maioria quer isso e fato voce pode nao ser igual as outras pessoas que seguem as letras de funk mais milhoes sao nao defenda o funk porque essa porcaria e um forte instrumento das maos de pessoas que nao estao nem ai para quem as escutam como por exemplo as jovens gravidas sem marido os drogados e viciados no mundo individualista que vivemos nao so o funk mais diversas armas da midia para destruir o conceito que temos de respeito a mulher a familia e ate mesmo de Deus

  57. Eduardo
    17/01/2012 às 0:57 | #135

    É musica de pulguento…………..afffffffffffff

  58. ALESSANDRO
    20/01/2012 às 21:55 | #136

    O FUNK JA FOI BOM, QUANDO EXISTIA O FUNK MELODY COMO STIVE-B ENTRE OUTROS ATÉ MESMO O MC MACINHO COM SEU FUNK ROMANTICO, MAIS ESTA PUTARIA QUE ESTA AI NEM PODE SER CHAMADO DE FUNK.

    • Rick
      15/01/2014 às 0:11 | #137

      NÓS TIVEMOS TAMBÉM UM ÓTIMO EXEMPLO DE “FUNK MELODY” QUE FOI A SAUDOSA DUPLA CLAUDINHO E BUCHECHA, ISSO SIM TINHA LETRA, RITMO, MUSICALIDADE. E ATÉ EU GOSTAVA NA ÉPOCA ÁUREA. COMPLETAMENTE DIFERENTE DESSA ESCROTIDÃO QUE VEIO DAS FAVELAS! E AINDA TEM CRÁPULAS QUE CHAMAM ISSO DE MÚSICA!

  59. 24/01/2012 às 11:16 | #138

    Não concordo com a comparação do funk do Rio de Janeiro, como sendo um lixo da música brasileira. Ora, todos nós sabemos que do lixo nos conseguimos aproveitar alguma coisa, inclusíve o chorume (líquido que vaza do lixo devido à decomposição). Do funk não se aproveita nada.

  60. Marlísio
    30/01/2012 às 1:08 | #139

    Concordo com ALESSANDR(O OU A?) em tudo.
    Aos que aqui defenderam o funk como música:
    - o que aqui se discute não são as batidas, a sintonia musical, mas, SIM, as LETRAS.
    É um absurdo o que deixam gravar hoje em dia. Não tem nenhum comprometimento com quem vai ouvir. Nenhum respeito. Nenhuma consideração. Falam da liberdade de expressão, do fim da censura, mas, isso é uma verdadeira VERGONHA NACIONAL.
    As pessoas perderam, totalmente, a noção do que é moral e bons costumes. Obrigam-nos a ouvir juntamente a elas a mais maiores baixarias. São palavrões das piores espécies e frases que incitam ao sexo explícito. Não querem e nem se importam em saber que mulheres de boas índole e educação, formação religiosa, crianças pequenas, pessoas idosas, enfim, que famílias que vivem de forma recatada e dentro dos padrões morais, estão ouvindo contra as suas vontades esse LIXO TÓXICO (não reciclável). Isso irrita, nos corrói, nos impele a querer fazer justiça com as próprias mãos. Quem deveria prezar pelo bem estar do cidadão não toma nenhuma atitude. As nossas autoridades sabem que isso é contra a Lei das Contravenções Penais, vejam abaixo.
    Art. 42 – Perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios:

    I – com gritaria ou algazarra;

    II – exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;

    III – abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

    IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem guarda:

    Pena – prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa.

    Não deixem barato, briguem por seus direitos de terem sossego em suas residências, DENUNCIEM.

    Volto a ressaltar, o problema não é o ritmo do funk, e sim as suas letras (não estou generalizando, existem funks com letras inofensivas).

  61. Marlísio
    30/01/2012 às 1:11 | #140

    Errata: * mais maiores (ia escrever de um jeito e mudei e não revisei), correto: maiores.

  62. Victória
    30/01/2012 às 4:29 | #141

    Funk LIXO DA “CULTURA” BRASILEIRA, a geente olha a forma de dança e totalmente vulgar, a letra desses funk de hoje e de cair de boca no xão ,Os cara não sabe nem cantar. Cara FUNK É O LIXO DA “CULTURA” BRASILEIRA mesmo concordo por causa dessa merda que o Brasil não vai pra frente yy , mais tipo eu não posso fazer nada com quem gosta simplesmente respeitar a opinião de cada um . (:

  63. nena
    31/01/2012 às 21:34 | #142

    quem canta funk esta defecando pela boca !!! Pois o funk nada mais é do que pura MERDA!!!

  64. FernandoOsborn
    08/02/2012 às 14:31 | #143

    simplismente é isso o funk é como um virus que esta acabando com a sociedade e com o país a midia o apoia claro rende dinheiro e audiencia para as emissoras de TV e como milhares de pessoas assistem milhares de pessoas sem noção ou com pouco conhecimento “crianças e adolescentes no caso” são influenciados a esse tipo de lixo sonoro e visual…ou seja hoje voce pode ver garotas de 12,13,14 anos gravidas,garotos de 13,14,15 anos traficando,roubando,e usando drogas e claro os traficantes querem isso aumenta a renda e a venda das drogas e quem sofre é sempre o pai e mae de familia,por isso é que eu digo FUNK É UM VIRUS QUE CONTAMINA A SOCIEDADE.

  65. Paulo Roberto
    12/02/2012 às 18:30 | #144

    o funk é o lixo do lixo, nao se trata de democracia nem de desrespeitar as diferenças, se trata apenas de que o nosso Brasil ainda não se tocou com suas autoridades de que a droga esta destruindo a nossa naçaô, enquanto ficam enrolando com estas farsas de cpis daqui e de lá a droga corre frouxa e destrói o futuro de nossos jovens e suas famílias e o funk e só um dos sintomas do que vem por ai ele é só mais uma mazela incentivada por quem mais esta interessado nisso e fortalecido pela falta de cultura de nossa juventude e da falta de competência dos nossos titiricas

  66. ODEIOFUNK!!!
    16/02/2012 às 14:35 | #145

    ODEIO FUNK!!!!!!!!!!! DO FUNDO DO MEU CORACAO MALIGNO!!! SE EU FOSSE PRESIDENTE DESE PAÍS IRIA CRIAR UMA LEI PRA PROIBIR A PORRA DO FUNK!!!!!!!!

  67. SIDNEI PEREIRA
    21/02/2012 às 11:11 | #146

    Renato, bom dia !!

    Parabenizo pelo excelente blog e por tudo que foi escrito a respeito do funk.

    Infelizmente, a grande mídia e os governantes, em nome da dita Democracia, e com políticas liberalistas, estramos perdendo pouco a pouco o que resta de moral.

    Somos um país sem identidade cultural e só o que temos são misturas, onde ganha a que mais tem apelos sexuais. E sendo tais aspectos muito explorados economicamente, fica difícil reverter tal quadro. Nossos jovens, em sua maioria, já não conhecem a verdadeira MÚSICA, com tudo o que ela oferece de agradável ao sentido da audição.
    Quando ganhamos a democracia, perdemos a censura e com ela, se foram os meios de coibir a infiltração de musicas e letras com abuso de citações pornográficas no meio da sociedade. É o Caos, infelizmente.
    Grande abraço.

    Sidnei Pereira.

  68. rafa
    21/02/2012 às 15:10 | #147

    funk é uma merda.
    clarooo q funk é cultura no brasil pow…nesse país tudo é possivel.
    o brasil é uma merda,sua cultura é uma merda,seus governantes são ladroes.
    tudo isso é igual a FUNK.

  69. rafa
    21/02/2012 às 15:15 | #148

    eu simplesmente odeio o governo brasileiro,sua imprensa,sua cultura (ou a falta dela).

  70. Marcondes Vilela
    22/02/2012 às 17:06 | #149

    Em qualquer cultura, tudo que vira vício, toma corpo e consegue adeptos. Lamento em dizer, mas na minha opinião, acredito que estamos perdidos e condenados a sentir o cheiro dessa latrina do capeta que é o Funk. É só olhar o que tem dentro dela: Pornografia, intolerância, espancamentos, desordem, etc. Tenho muito nojo dessas pessoas. Muito nojo mesmo!!!! Se alguém quiser uma prova disso que estou dizendo, é só analisar a vida dos simpatizantes (Religião, emprego, grau de instrução e outros valores). Será fácil perceber que são pessoas vazias por dentro. Só se sentem felizes quando dançam essa bosta. Merda inventada para justificar atitudes deploráveis. Nojo, ânsia de vômito!!!

  71. Eu, eu mesmo e irene
    01/03/2012 às 2:19 | #150

    FUNK = Fecal Úmido Natural do Ku

  72. dudu
    06/03/2012 às 22:27 | #151

    boa noite concordo o tal do funk por que nao posso chamar de musica issoe o lixo da sociedade ta levando a juventude no caminho errado e muitas veses sem volta sou contra nao gosto nada disso sou mais contra desculpe a expresao pelos coitados que estao iludidos com esse lixo pois o fim do funk as veses e igual no final desses bailes brigas violencia e ate morteso e o funk e o incentivopra isso.desculpe minha opniao funk drogas armas e crime andao juntos obrigado por enquato dudu ribeirao preto

  73. Mr. Crowley
  74. MILITAR
    18/03/2012 às 2:03 | #153

    QUERO QUE QUEM GOSTA E OUVE FUNK VÁ TODOS PRO INFERNO !!
    GERAÇÃO PERDIDA !!!
    FODA-C A CULTURA !!
    ESSE MOLEQUES CRETINOS PRECISAM SERVIR O EXERCITO, PRA VALORIZAR E RESPEITAR OS CIDADÃOS !!
    ACHAM QUE SÃO DONOS DAS RUAS E DOS OUVIDOS DOS OUTROS !
    GENTE SEM CARACTER, SEM VERGONHA NA CARA, UM BANDO DE INFELIZES !!
    REPRIMIDOS ESPIRITUALMENTE,SEXUALMENTE !

  75. 28/03/2012 às 16:46 | #154

    te q enfim gente valeu ai custei achar auguma cisa relacionado ao que eu estava procurando mais encontrei aki

  76. JWJ
    22/04/2012 às 12:07 | #155

    O Funk é uma narração de sexo!
    ii valeu pelo meu trabalhoo
    ;D

  77. 26/04/2012 às 23:07 | #156

    A REALDADE DE HOJE EXPRESSA A SUJEIRA E SUA GLOBALIZAÇÃO, A EXPANSÃO DO TRÁFICO, O CRESCIMENTO INUMERADO DE USUÁRIOS DE DROGAS, O HOMOSSEXUALISMO PEGANDO SOLTO, A BANALIZAÇÃO DO ROUBO E DESVALORIZAÇÃO DO SER HUMANO, A CULTURA INDO PARA O ESGOTO, A SAFADEZA NOS JOVENS, O DESRESPEITO AS MULHERES, QUE NÃO SÃO MAIS MULHERES SÃO CACHORRAS VILA LATA DE RUA, O SER HUMANO ESTÁ CAINDO NUMA DECADÊNCIA PIOR DO QUE OS ANIMAIS EM SI, QUE POR SINAL, RESPEITAM E AMAM SEUS DONOS.
    O FUNK REPRESENTA TODA A SUJEIRA DO QUE PASSA PELA CABEÇA DE UM IMUNDO, QUE POR SINAL PODE SER PERIGOSO, COVARDE, MENTIROSO E APROVEITADOR!
    e´O RITMO DA DESTRUIÇÃO DA SOCIEDADE!

  78. 26/04/2012 às 23:13 | #157

    Anderson Cesar :
    A REALDADE DE HOJE EXPRESSA A SUJEIRA E SUA GLOBALIZAÇÃO, A EXPANSÃO DO TRÁFICO, O CRESCIMENTO INUMERADO DE USUÁRIOS DE DROGAS, O HOMOSSEXUALISMO PEGANDO SOLTO, A BANALIZAÇÃO DO ROUBO E DESVALORIZAÇÃO DO SER HUMANO, A CULTURA INDO PARA O ESGOTO, A SAFADEZA NOS JOVENS, O DESRESPEITO AS MULHERES, QUE NÃO SÃO MAIS MULHERES SÃO CACHORRAS VILA LATA DE RUA, O SER HUMANO ESTÁ CAINDO NUMA DECADÊNCIA PIOR DO QUE OS ANIMAIS EM SI, QUE POR SINAL, RESPEITAM E AMAM SEUS DONOS.
    O FUNK REPRESENTA TODA A SUJEIRA DO QUE PASSA PELA CABEÇA DE UM IMUNDO, QUE POR SINAL PODE SER PERIGOSO, COVARDE, MENTIROSO E APROVEITADOR!
    e´O RITMO DA DESTRUIÇÃO DA SOCIEDADE!

  79. Leandro
    30/04/2012 às 1:21 | #158

    “Ai novinha que tesão ontem tu tinha uma bucetinha hoje tu tem um bucetão, caralho”

    Essa droga toca quase todo dia aqui onde eu moro, vê se isso pode ser chamado de cultura ou de música.

  80. 10/05/2012 às 16:09 | #159

    FUNK É LIXO SIM!!!!!!!!!!!!!!!!! E QUEM ESCUTA TEM UM FDP DE UM PÉSSIMO MAU GOSTO MUSICAL. E VOCÊ FUNKEIRO, SENTIU-SE OFENDIDO????????? FODA-SE.

    • 12/11/2012 às 13:39 | #160

      Olhaa aquii Garotaa… Lixo é a porra do seu preconseitoo , Olhaa eu não estou sentido ofendida mas aii, porque voce não tenta respeita a visões das outras pessoas ? Voce concertezaa deve ser uma daquelas rockerinhas de merdaa, que ouve essas musicas de loko. que so tem gritos, e alem dos mas , chama demonios… aaF See enchergaa vaai coisa redicula , vai lava sua louça… ninguem é obrigada gostar do funk !!! Mas tem como obrigação respeita … vey Sou garota ,e curto (FUNK) E Foda- se o que vão pensa ao meu respeito alias musica, não defini carater… vaai crese vai sua inutil caso ao contraio Voce continuara sendo uma hipocrita por ta julgando #Huum Então é assim ? funk é lixo e quem gosta tem mau gosto? mau gosto tem voce , que prefere fica criticando ao enves de respeita,aaF Odeiio pessoinhas assim como vc,Não gosta de funk? Pau no seu cu e na sua buceta !!! Foda-se AA antes que eu me esqueçaa!! Se vc quizer debate com migo !!Demoro pra vc ,lembrando que eu nao tenho medo de mulher, alias eu sou uma … Vai ser recalcada assim na puta que te pariu…

      • 15/03/2013 às 11:34 | #161

        Você é muito idiota por defender uma musica imoral de bandido. Funk é lixo, nem se compara com rock, pagode ou axé baiano. Além do mais, prefiro funk americano mesmo, pois é música de verdade, comparado ao funk brasileiro!!

      • Rick
        14/01/2014 às 23:36 | #162

        CACETADA! ! ! EU AINDA NÃO CONSIGO ENTENDER O QUE VC AINDA FAZ POR AQUI ? ? ? SE VC DEFENDE ESSA MERDA, VAZA DAQUI DO SITE, SUA PUTANA! E VEJA SE CONSEGUE APRENDER A ESCREVER, VAI PROCURAR ESTUDO PRA DEIXAR DE SER BURRA E IGNORANTE, TALVEZ COM SORTE VC CONSIGA EVOLUIR DE VERDADE! SE ISSO ACONTECER, PENSE UM MILHÃO DE VEZES ANTES DE VC VOLTAR A ESCREVER AQUI!

      • King Cobra
        22/03/2014 às 3:04 | #163

        Respeito de cú é rola sua vagabunda, tu e todos esses bostas que ouvem essa merda alto em todos os lugares é que não respeitam ninguém!! Para de falar merda e pensa um pouco em todas as pessoas que odeiam essa carniça chamada funk e são obrigados a ouvir essa imundície em ônibus, em carros com som de 10 mil watts, em festas que vão madrugada adentro, etc, etc. Quer ser respeitada?? Enfia o fone de ouvido no seu útero e ouça essa bosta só para você, seu resto não-reciclável de lixo!!!

  81. ALEXANDRE DE BARROS
    15/05/2012 às 4:55 | #164

    PRIMEIRAMENTE ESTA ERRADO CHAMAR ESTA PORCARIA DE BARULHO CARIOCA DE FUNK POIS SÓ EXISTE UM RITMO COM NOME DE FUNK E É AMERICANO. MUITOS ESTILOS TEM INFLUENCIA DE FUNK HJ EM DIA. PROPRIAMENTE O FUNK É UM SOM DO PASSADO QUE HJ É REVISITADO POR DIVERSOS ESTILOS QUE AGREGAM SUA PEGADA…ESTE NEGOCIO FEITO HJ EM DIA COM NOME VULGAR DE FUNK CARIOCA É PESSIMO EM TODOS OS SENTIDOS, QUER ESCUTAR MUSICA DECENTE E QUEBRADA VAI ESCUTAR JUNGLE, BREAKBEAT, DRUM N BASS, RITMOS NOBRES E SEM LETRAS ESCROTAS…

  82. 03/06/2012 às 20:50 | #165

    PODIA FALAR FALAR E FALAR MAS NAO VAO SE CONVENCER !

    MC DALESTE – TERAPIA !
    MC GUIME – SONHO DIFICIL !
    MC PIKENO E MENOR – VALEU AMIGO !

    E PRINCIPALMENTE
    MC TALYSON – FUNK NÃO APOLOGIA

    FUNK DA CAPITAL È ISSO AQUI CHAPA #PazNoFunk È noiz Z/L

    • Izuna
      03/06/2012 às 21:56 | #166

      Ô, noiado miserável, você chama isso aí de argumento? Nem debater nada você sabem. São incapazes de articular ideias e escrever direito. É por causas de pessoas como vocês que o Brasil sempre será um lixo e o povo nunca vai ter vez. Funk é a maior tragédia em massa que já vi. Uma geração inteira perdida para as drogas, a violência e o crime.

    • King Cobra
      22/03/2014 às 2:55 | #167

      Paz no funk é o kcete seu bosta, depois desse lixo dos infernos fazer apologia de tudo o que não presta, drogas, putaria indiscriminada e bandidagem, depois de incomodar todos os que não gostam dessa m*rda, tu vem falar em paz no funk???? Eu queria é que o Hitler levantasse do túmulo com 10 milhões de soldados alemães armados até os dentes só para limpar o Brasil dos funkeiros, aí sim ele teria tido alguma utilidade no mundo!!!

  83. tony
    03/06/2012 às 22:52 | #168

    fuck e lixo e mas lixo e quem escuta se pudesse matavas todos geral sem do.

    • 12/11/2012 às 13:41 | #169

      Além dele ter preconseito !! Não sabe escreve,Voce pulou o muro da escola, ou vc so vai pra come ? Funk e não fuck !!

    • Rick
      14/01/2014 às 23:27 | #170

      ELE TÁ CERTO, SUA BABAQUINHA IGNORANTE! ISSO AÍ É “FUCK” MESMO! TUA CABECINHA É QUE ESTÁ “FUCK” DIDA! ASHUASHUASHUASHUA.

  84. arnaldo
    08/06/2012 às 3:14 | #171

    O LIXO.
    ele é coletado , muitas pessoas queimam ou enterram, pode ser selecionado, e reciclado, mas muitas pessoas conseguiram uma façanha, Ouvir.

  85. eu
    12/08/2012 às 15:12 | #172

    acho q n e lixo td bem q ele realmente fla de maneira vulgar de nos mulheres, mas, eh so um jeito de expressar o q eles pensam, as vezes da pior maneira mas eh so uma expressao de sentimento e quando eles falando xcachorra e etc acho cinseramente q eh a penas uma maneira de as vezes mostrar interesse . td bem q tds tem otimos motivos pra gostar ou odiar o funk mas acho tbm q se nnos n gostamos deviamos ficar em silencio se gostamos tbm deviamos pq isso gera polemica desnecessaria pra tds nos. alguns funks realmente sao uma coisa absurda mas n nos da o direito de chama ele de lixo assim como tbm tem funks legais o q tbm n nos da o direito de flar super bem de tds os funks q existem. tem gente q so pesquisa coisas ruins pra depois vir aqui e colocar uma resposta com justificativa e acha q tem td razao do mundo, errado quem faz isso! por que existe gente q faz funk pra manter entretido um povo de gente q curte o estilo a batida mais sem os palavroes e xingamentos. as vezes tds estamos errados mas n por gostar ou n e sim por tentar fazer os outros mudarem de opniao por causa de algo q nos pensamos
    uma coisa q tds deveriam saber , n vale a pena mudar pessoas por nos, por isso q cada um eh diferente do outro respeitem como se fosse alguem de sua familia tds do mundo desde os favelados e mendigos ate o presidente e os mais ricos .
    se tds desta coluna continuarem a pensar assim deste jeito positivo ou negativo eu desejo boa sorte pra tds pq vcs vao precisar pra seguir a vida
    BOA SORTE A TDS.

  86. eu
    12/08/2012 às 15:39 | #173

    o funk eh sim uma cultura so q nem tds curtem

    • Wander
      12/09/2012 às 16:31 | #174

      ok

    • Diego
      25/09/2012 às 19:27 | #175

      se vc acha!!!

    • 06/09/2013 às 13:30 | #176

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK CULTURA ? ONDE ?

    • Rick
      14/01/2014 às 23:22 | #177

      COM CERTEZA AMIGO(A)!! É A CULTURA DA PUTARIA, DA BANDIDAGEM, DAS DROGAS, DA CRIMINALIDADE E DA IGNORÂNCIA DESTE POVINHO QUE GOSTA DESTA BOSTA! VIVA O BRASIIIIIIIL!!!! É ASSIM QUE ESSE PAÍS VAI PRA FRENTE

  87. nao te interessa meu nome
    13/09/2012 às 0:37 | #178

    cara o que eu tenho a dizer sobre o funk diferente por exemplo do rock e que tipo na maioria das vezes sempre fala de drogas sexo de meninas que keren dar umas musicas chaman as mulheres de putas cachorras vadia que so keren dar a bunda ea buceta e as proprias mulherers cantan isso nao vo escreve mais pq ja e 3 e meia da manhan mais ainda tem muita coisa pra fala agora o rock e muito diferente pq? pq o rock tem gente q acha q nao mais nas maioria das vezes eo cara se expresando mostrano seu sentimento na musica ou uma questao do dia dia tipo o futuro do pais ou seu estado atual ou seja muitas vezes eles falan o que o povo keria dizer mas nao diz e assim ate incentivan as pessoas a lenvantaren a cabeça e enfrenta o governo ea sociedade e pros fdp ai de plantao que achan que todo rockeiro se veste de preto e adora o demonio larga de ser idiota alguns sao assim alguns nao todos entao parem com essa merda bom e so iso agora vo durmi (sei que tem muito erro de portugues aew mais e pq eu to com preguiça mesmo )

  88. guilherme
    14/09/2012 às 23:05 | #179

    Sexo verbal Não faz meu estilo

    Funk Porno para cego

    Lixo da sociedade

    Tenho 15 anos E creçi Ouvindo Legião urbana

    Mi Sinto Diferente desse geração perdida

  89. DUDA
    22/09/2012 às 0:12 | #180

    FUNK É PARA OS IDIOTAS QUE NÃO TEM NADA NA CABEÇA!!! O CARA NÃO TEM NEM COMIDA EM CASA E PAGA PAU PARA GRANDES GRIFES DO MUNDO , ONDE NEM NO SONHO SERA CAPAZ DE USAR!!! GENTE NOJENTA , INCENTIVA A PROSTITUIÇÃO INFANTIL E A PEDOFILIA, FAZEM FILHOS COM VAGABUNDINHAS E DEPOIS DEIXAM PARA OS PAIS CRIAREM… ME3NINOS E MENINAS SEM FUTURO, OU MELHOR FUTUROS PASSA FOME.

  90. DUDA
    22/09/2012 às 0:14 | #181

    FUNK É IGUAL A POMBO!

    TEM DE MONTE
    NÃO É BONITO
    SUJA TODA A CIDADE
    E AINDA TRANSMITEM DOENÇAS!!!

  91. Diego
    25/09/2012 às 19:25 | #182

    eu não gosto de funk, também essa versão brasileira é literalmente um lixo mas enfim, versão americana é muitooooooooooooo melhor, tem guitarra, baixo, bateria e outros instrumentos legais. Por que o brasileiro tem que ter gostos diferentes, não que eu seja contra isso mas, gosto diferente é uma coisa, lixo é outra.

  92. 03/10/2012 às 19:39 | #183

    olha o funk de hoje em dia está muito violento com apologia ao crime,sexo,drogas e palavrões, mais na minha opinião o funk gospel e para os jovens cristãos se divertirem e também não tem nada de mais. é também o funk em si não e uma droga são as pessoas (mcs) que fazem dele o lixo que é hoje mais o de antigamente era só melodia

  93. Cleber
    05/10/2012 às 3:25 | #184

    FODA-SE QUEM NÃO GOSTA DE FUNK ! PULTARIA MULTI MIDIA $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    SENTA COM A XOTA PRENDENDO MEU PAU ♫

    • 15/03/2013 às 11:37 | #185

      Vá pro inferno com essa porcaria de funk, seu babaca!!

    • King Cobra
      22/03/2014 às 2:48 | #186

      Tira essa nota musical do fim dessa escrotice que tu escreveu e coloca uma larva de mosca, fica muito mais condizente. É por causa de sacos de estrume com você que o Brasil tá a m*rda que tá, por que você não nos faz um favor e puxa o gatilho de uma calibre 12 carregada dentro da sua boca imunda??

  94. bianca
    13/10/2012 às 0:12 | #187

    Você disse tudo. Ninguém, que tenha bom censo ou alguma nocão do que é bom ou ruim vai deixar ser chamada de cachorra, vagabunda, égua. Pedem respeito mas nem mesmo SE respeitam! Eu não entendo como o povo brasileiro pode ser tão acomodado e ignorante a ponto de dizer que isso é cultura! Claro, sempre tem essecões,mas cada vez mais esse “estilo” musical está se popularizando… Só se pensa no dinheiro e no popular, e não no conteúdo… Abraço!

    • 12/11/2012 às 13:20 | #188

      Olhaa garota, so tenho uma coisa para te Falar!! Musica não defini carater se elas se chamam de puta, vagabunda,piranha etc… isso ja é um poblema delas… Não é so pq elas são , que as meninas que gostam tambem são..aa se enchergaa Vaai !!

  95. 12/11/2012 às 13:12 | #189

    aaF Gente quem é voces para ta criticando o funk ? Olha ninguem é obrigada gostar mesmo do funk, mas aii, existe uma coisa, que se chama respeito , olha nem todas garotas que curte funk é puta eu sou funkera e nem poriso eu sou uma puta ou uma bandidinha!! alias musica não defini carater… para essas pessoas que ficam criticando, quem curte funk pra mim tem nome (PRECONSEITO) Voces deveriam ao menos respeita a visoes das outras pessoas., pelo ao contrario, voces continuaram sendo uns hipocritas por ficar julgando, os estilos alheios… e quem disse que funk não é cultura ? é sim oq não é cultura é o preconseito de voces!! Haa ninguem tem direito de julgar ninguem mas tem a obrigação, de respeita haha é isso msm foda-se quem não curte funk.. Todas musicas são conpletamente diferentes. Toda musica é ouvidas de um jeito diferente e por pessoas diferentes então respeitem.( O MUNDO NÃO GIRA EM VOLTA DA OPNIÃO DE VOCES )

    • Ewerson Cena WWE
      17/01/2013 às 12:34 | #190

      essa aí deve ser uma daquelas que assiste big brother brasil (Sem Cérebro), presta atenção na letra desse lixo de funk que vocês chamam de cultura e compara com a letra de legião urbana, RPM, ETC. E quem gosta de tecnomelody também não sabe o que é música. (Melody + Funk = Lixo, aterro sanitário).

    • Lenon
      21/10/2013 às 21:55 | #191

      Repara bem pessoal, mais uma que possivelmente não passou da 4ª Série:

      poriso – PRECONSEITO – conpletamente – “toda musica é ouvidas de um jeito…”

      Preciso dizer mais alguma coisa?

    • Rick
      14/01/2014 às 23:19 | #192

      Cara, eu não tenho nem resposta pra isso! Deixo essa puta chapada pra lá

    • King Cobra
      22/03/2014 às 3:09 | #193

      A essa altura essa vagaranha já deve estar grávida de um funkeiro que conheceu em algum baile tosco e escroto do seu bairro…

  96. Izuna
    12/11/2012 às 13:54 | #194

    Kessllen, se enxerga você! Funk é maior tragédia moral e intelectual em massa que eu já vi. Tem que ser muito retartado e comer muita merda pra pensar que esse dejeto pode servir pra alguma coisa positiva. Som de bandido, filosofia de bandido com pós-gradução e mestrado para os jovens. É uma necessidade constante de ostentação e agressão à privacidade, ao direito e ao ouvido alheio. Funkeiro é um zé merda que precisa sempre ser notado, de qualquer jeito, nem que pra isso obrigue todo mundo a ouvir o seu funk fedorento! É isso que revolta. O cara sabe o que é fone de ouvido, mas quer “posar de bandidinho pra representar os mano da quebrada”. Isso que fode. Não passa 5 minutos sem que passe um carro com um som que faça estremecer toda a casa. Funk é som de gente que gosta de bandido, de estuprador, de marginal que assalta e mata no farol. Funk é som de gente vagabunda, que sente orgulho de ser escória, baixa, mal educado, desrespeitoso, pouco instruído. Falam tudo errado, não cantam, berram. E ainda acham bonito se entupirem de droga e exaltar a criminalidade. “Tá doidona, tá chapada, vai carregadá pra casa” QUE porra é essa? Isso é música de mulher decente, de gente decente? Vai pro inferno, é por isso que a peirferia é e sempre foi uma bosta, lugar de gente feia, que não evolui, não vence na vida. Eu moro na periferia e não me sinto melhor do que ninguém, mas eu respeito os outros, tento colaborar pra que as pessoas sejam melhores, mais conscientes e civilizadas. Mas, sem chance, na periferia, o mal é maioria. A molecada nem cresce direito e já vai pagar pau pra vagabundo e bandido. Pensa bem na sua vida, garota! Valoriza sua vida!

  97. Roc
    16/11/2012 às 21:52 | #195

    Isso tudo é preconceito eu tenho 12 anos amo o funk e sempre vou amar, to pouco me lixando para o q vcs acham vcs São um bando de chatos q ouvem rock ou aquelas músicas de corno.

    ENTÃO CHUUUPA RENATIN

    • 15/03/2013 às 11:39 | #196

      Rock é dez vezes melhor que funk, seu otário, chupador de merla!!

    • Lenon
      21/10/2013 às 21:51 | #197

      Velho se tem 12 anos, daqui uns 2 anos se ja tira essa merda que se encontra na sua superficie craniana.

    • Rick
      14/01/2014 às 23:13 | #198

      Muleke! Vc ainda tem muito pra aprender e ainda dá tempo de te endireitar! O que não tem jeito mesmo deve ser teu pai, um puto funkeiro que deve ter te incentivado! Por que se tu fosse meu filho com certeza tú não ouviria essa merda!

  98. Cristian
    18/11/2012 às 19:45 | #199

    funk um excremento da cultura brasileira

  99. vin
    22/11/2012 às 16:18 | #200

    Sinceramente o funk deixa as pessoas mias hipócritas do que ja são,pessoas se acham melhores do que as outras por usarem “roupas de marca” que para eles é um grande motivo de “ostentação” o que sinceramente é ridiculo ,o que acrescenta na cabeça destes tais que ouvem funk e falam que é musica de qualidade,sendo que é nada mais nada menos,do que um grande incentivo ao sexo,drogas e a violencia,e desde quando ostentar te faz melhor do que os outros . E a sociedade hipócrita ve isso e acha tudo normal,e falam que é cultura.não que não seja,mas uma coisa é cultura,outra coisa é “cultura inutil” que não acrescenta nada na cabeça das pessoas,uma das melhores formas de melhorar isso seria tornar o ensino de música obrigatório nas escolas e mostrar que isso que eles chamam de música não acrescenta nada na cabeça das pessoas.

    • vin
      22/11/2012 às 16:19 | #201

      Sinceramente o funk deixa as pessoas mais hipócritas do que ja são,pessoas se acham melhores do que as outras por usarem “roupas de marca” que para eles é um grande motivo de “ostentação” o que sinceramente é ridiculo ,o que acrescenta na cabeça destes tais que ouvem funk e falam que é musica de qualidade,sendo que é nada mais nada menos,do que um grande incentivo ao sexo,drogas e a violencia,e desde quando ostentar te faz melhor do que os outros . E a sociedade hipócrita ve isso e acha tudo normal,e falam que é cultura.não que não seja,mas uma coisa é cultura,outra coisa é “cultura inutil” que não acrescenta nada na cabeça das pessoas,uma das melhores formas de melhorar isso seria tornar o ensino de música obrigatório nas escolas e mostrar que isso que eles chamam de música não acrescenta nada na cabeça das pessoas.

  100. Dalio franck
    24/11/2012 às 17:07 | #202

    o funk nada mais é que: apologia ao crime e a prostituição sem contar que o funk agride os princípios étnicos. e morais de um cidadão. e ainda falam que esse lixo e cultura.

  101. 06/12/2012 às 8:36 | #203

    eu concordo com tudo que o texto diz ,respeito o gosto musical de cada um, mas funk ,e uma vergonha, nao vou sair matando quem ouve funk , mas pode acreditar pessoas inteligentes nao perdem tempo ouvindo funk.

  102. 10/12/2012 às 13:27 | #204

    MC= abreviação de merda na cabeça, até no auge do pagode a molekada aqui da kebrada aprendia a tocar um cavaquinho tinha que aprender notas musicais enfim usava o cérebro , hoje em dia uma geração perdida , o pior é quando vejo um maluko na casa dos 40 anos ouvindo funk vejo um cara sem passado musical sem história para contar ,aqui em são paulo quem curtiu o movimento black verdadeiro da periferia entende salve racionais , a verdadeira cultura da periferia!! mas tenho fé esse stilo q chamam de funk uma ofensa ao verdeiro funk vai sumir vai voltar p/ o inferno ,

  103. 22/12/2012 às 3:40 | #205

    Concordo com todos os comentarios, funk nunca foi um exemplo da cultura Brasileira,e nunca sera, pra mim o funk so mostra q o brasil e um pais das bundas nao da inteligencia

  104. 30/12/2012 às 14:43 | #206

    Funk é de fato um lixo, naum podemos dizer que Funk é cultura pq ele incentiva a diversos tipos de coisas ilegais.Sendo letras ofensivas e sem qualquer tipo de mensagem, eu naum ligaria pro funk se ouvissem nos fones porem preferem ligar a caixa de som no maximo obrigando você cidadão de ouvir o lixo que eles escutam !!!! Quer defender essa merda??

  105. JOÃO
    02/01/2013 às 16:46 | #207

    O FUNK É COMO SE FOSSE UM PARASITA DESTRUINDO A CULTURA BRASILEIRA

  106. gustavo
    05/02/2013 às 17:31 | #208

    funk e a destruiçao da humanidade o funk .quando eu vejo a cada dia o que acontece no mundo por causa do funk me da cada dia mais nojo desse lixo sao um monte de gente sem cerebro q nao si valorizam nada .eu nao tenho nada contra nenhum tipo de `MUSICA´´PORQUE FUNK NAO E MUSICA O QUE ME MATA DE RAIVA E QUANDO UM EU QUE ESCUTO ROCK VENHO CRITICA O FUNK DAI ME DIZEM (VC NEM SABE O QUE ELES ESTAO FALANDO PODEM ESTAR XINGANDO SUA MAE) .MAS AGORA O FUNK CHAMAR AS MULHERES DE VAGABUNDAS CACHORRAS MANDA SENTA CHUPA TUDO FICA DE QUATRO FAZER OS CARAS USAR DROGA VIRAR TRAFRICANTE AI E NORMAL PELO AMOR DEUS .FUNKEIROS VAO SI FERRAR ANTES DE PELO MENOS SITAREM ALGUO SOBRE SOBRE MUSICA FUNK E CULTURA CULTURA E UMA OVAAA!!!!

  107. Henrique
    10/02/2013 às 20:38 | #209

    Concordo com tudo o que disse o texto, funk é um lixo mesmo, não é a toa que todas as pessoas que escutam funk são pervertidos sexuais, e o pior de tudo é que eles acham que todo mundo gosta de funk (Ou não conhecem uma coisa chamada fone de ouvido)

  108. 22/02/2013 às 19:46 | #210

    Os caras ficam ouvindo funk na minha rua o tempo todo,mas ainda bem que tenho um head-set e gosto de ouvir j-pop/j-rock que difícilmente tem repetições na letra,e as músicas são belíssimas,tanto na letra quanto no ritmo.

  109. 22/02/2013 às 19:49 | #211

    vemki vemki venki vemki aaaaaaaaaahhh,MERDA!!

  110. 13/03/2013 às 8:44 | #212

    povo retardados , se vcs nao gosta do ritimo do funk problema e seus , nao precisar descrinar , seus otarios , vai tudo pro inferno , disgraçado eu amo funk e se vc nao gosta vai pra merda disgraça vaiii pra porra

    • 15/03/2013 às 7:25 | #213

      Vá pro inferno você com essa B$57@ de funk. você só curte porcaria mesmo.

    • Lenon
      21/10/2013 às 21:48 | #214

      Reparei que você é funkeira só pelos erros ortográficos.
      Passou da 4ª Série ja minha filha?

    • Rick
      14/01/2014 às 23:08 | #215

      Se vc gosta dessa merda, o que faz vc aqui? Vai procurar outro site que cultua esse lixo! Nem preciso te mandar pro inferno, pois vc já faz parte dele! Vai descer tua bunda no colo do capiroto, sua vagaba!

  111. 15/03/2013 às 7:31 | #216

    Eu odeio funk, e daí? Funk só tem imoralidade mesmo, oras. Prefiro rock, axé baiano(mexeu com os nordestinos mexeu comigo e leva porrada), jazz e blues a ter de escutar uma música imoral que ofende a ética. E há pessoas idiotas que ainda dizem que funk é cultura. Cultura? Uma música imoral dessas? Por favor, me poupe. Só pessoas sem senso crítico ouvem essa porcaria. Eu também curto j-pop/j-rock, cujas músicas são maravilhosas e não há repetição na letra.

  112. Martiniano
    17/03/2013 às 9:38 | #217

    Funk,rap,hip hop etc não são e nem poderão nunca ser classificados como estilo musical,mas, como d-e-f-e-c-a-ç-ã-o s-o-n-o-r-a.

  113. 07/04/2013 às 15:45 | #218

    meu amigo eu so acho que cada naçao tem o lider que mereçe tem as condiçoes de vida que mereçe e tambem ritmo musical que merece

  114. 07/04/2013 às 15:52 | #219

    prefiro ouvir o judas priest falando do capeta do que ouvir essa pornografia sonora incentivando ate mesmo criancinhas a praticar sexo como setanejo universitario e funk

  115. 11/04/2013 às 22:42 | #220

    Renatim, eu gostei do seu texto e digo que só os idiotas perdem tempo ouvindo essa porcaria de funk carioca(que provavelmente se originou de um estilo chinfrim chamado Miami Bass). O mal da sociedade brasileira é achar que essa porcaria transmite alguma mensagem ética, quando na verdade só fala de sexo explícito e apoio aos criminosos. Funk é cultura? Cultura uma ova, é um lixo sonoro que esta degradando o Brasil, o Funk Melody, um estilo de música provavelmente originário do freestyle, por outro lado, tinha letras mais amenas em sua composição, e nenhuma delas falava de putaria ou apoio aos criminosos, apenas de coisas mais sensatas como amor. O Funk Americano, isto é, o funk original, surgiu nos estados unidos como um derivado do Rock n’ roll e teve grandes artistas como James Brown(1933-2006), Tim Maia, Ed Motta e Banda Black Rio. O funk de hoje em dia é uma porcaria e não merece ser chamado de cultura de maneira alguma.

  116. Phillipe
    28/04/2013 às 17:05 | #221

    Concordo plenamente com todo o artigo,funk simplismente é um monte de shit que banaliza conceitos morais estimula a prostituição defamando a imagem da mulher tratando como se fosse algo que so serve pra uma coisa daí os conceitos do funk e ícones do tipo mulher fruta …fruta se come não é mesmo?comer é uma coisa que se faz uma vez só,não se come a mesma coisa depois de que ja foi ”comido” intitula a mulher como algo descartavel que se usa e joga fora,cultura isso é um grande desrespeito aos conceitos morais de ética realmente me envergonha um governo que diz que esse monte de lixo é patrimônio cultural..isso ai Brasil tá indo muito bem.

  117. 03/05/2013 às 16:00 | #222

    infelizmente tenho que viver com esta poluição sonora, minha família ouve e gosta desta porcaria que chamam de musica na minha opinião deveria existir uma lei que proibisse rádios e emissoras de tv passarem este tipo de musica em horario nobre e mais proibir que menores de 18 anos tivessem acesso a este tipo de musica, ou pelo menos proibir esta poluição sonora em locais publicos…

  118. angela
    05/05/2013 às 10:26 | #223

    A própria sociedade é culpada pela violência que esta enfrentando. pq ao invés de coibir esse lixo que alguns insistem que é musica. ficam idolatrando essas pessoas que acham que são “cantores”, qd um homem chamar uma mulher de algum palavrão na rua ou mesmo no trabalho é considerado crime, e é crime mesmo, mas qd um “cantor” de funk famoso se dirige as mulheres como um pedaço de carne ou uma fruta que como e se cospe fora os restos depois , no nosso “Brasil” não é considerado crime, ao contrario é musica, cultura…..Isso que esta sendo considerado cultura, “patrimônio cultural,kkk, vai levar a família e a sociedade ao caos, ao fim do respeito pelo próximo; O que me deixa muito triste é que nós mulheres lutamos tanto pelos nossos direitos, pela igualdade, agora estamos vendo essa banalização da feminilidade, estamos, digo estamos pq, qd se referem a mulher brasileira somos todas nós, sem exceção de cor , raça ou classe social, e o que se vê
    la fora é a mulher brasileira é tida como objeto, graças ao nosso patrimônio cultural que é o funk………

    • Izuna
      05/05/2013 às 11:39 | #224

      Parabéns, pelo comentário, Ângela. Você está certíssima. Se formos enumerar as infrações cometidas nessas “manifestações sonoras” contra a própria Constituição brasileira, a lista é enorme. Apoio à Criminalidade, Prostituição [infantil, inclusive], degradação absoluta da dignidade humana, atentado violento ao pudor, agressão ao direito do próximo por meio da imposição violenta do som, entre outros.

      E mesmo quando não entramos no mérito da discussão, somos obrigados a ouvir. Como já vi que é um caminho sem volta, nem quero mais saber de quem ouve, mas aí sou violentamente obrigado a aturar vagabundo passando na porta da minha casa de carro à 1 hora da madrugada ou mais, com o som altíssimo, que mais parece vindo de um trio elétrico. Eles fazem questão de passar na primeira marcha, bem devagar, que é pra incomodar bem e acordar todo mundo. O barulho é tanto que os alarmes dos carros próximos disparam. Eles se divertem assim, agredindo os outros.

      Depois vêm reclamar que ninguém respeita os “gosto” deles. Como, se eles são os primeiros a não respeitar os direitos e o gosto do próximo. Aliás, agora está MUITO pior, porque a desgraça do funk em São Paulo virou um tal de “funk ostentação”, que a grande mídia [Veja, Record, entre outros] faz questão de apoiar. Agora, assumidamente, eles precisam “esfregar na cara de todos” tudo o que são e têm. Só ficam vomitando “nota de sem, moto 1100, novinha, Oakley, Dolce & Gabanna, Citroen, dinheiro, etc”. Sinceramente, pra mim, acabou. O futuro desse país acabou.

  119. PAULO428@HOTMAIL.COM
    19/05/2013 às 20:22 | #225

    ESTA NOJEIRA DE FUNK PRATICAMENTE ESTÁ ACABANDO COM O BRASIL!

  120. Haroldo
    24/05/2013 às 19:14 | #226

    Funk não e lixo, e poluição sonora. Afinal lixo pode ser reciclado.
    E aliás gente linda em vez de ficar só falando mal do funk vamos indicar uma banda que conhecemos para que as pessoas possam apreciar a boa música. A banda que recomendo (pra quem entende inglês) e Sabaton, fala de história em suas músicas. E músicas do serj tankian que fazem críticas sociais.
    Bom dia a todos.

  121. 25/05/2013 às 11:28 | #227

    Na verdade o Brasil já está acabado há muito tempo e agora existem elementos que se juntaram aos caos para ajudar ainda mais aumentar a degradação de valores desse país.
    Um deles é essas igrejas evangélicas nojentas e a outra é o funk ou “fuck” . É isso mesmo “funk-se” Brasil , ou melhor , “fuck-se” .

  122. 25/05/2013 às 12:24 | #228

    rone :
    Sera que voce aceitaria sua irma ou sua mae rebolando mostrando o rabo dancando funk

    kkkkkkkkkkkk rachei de rir agora . Felizmente eu detesto funk , mas o que levou o ritmo do funk a ser o que é hoje ??? Ninguém para pra pensar que pode ser mais uma forma de controlar as massas ou um método para intimidar os brasileiros , ou seja , o governo deixa como está e eles continuam numa boa lá no planalto .

  123. Roberto
    26/05/2013 às 18:37 | #229

    Se nao bastasse o conteudo vazio e lixoso, nego falar que batidas ou instrumental do funk e algo complexo essa foi boa,sao produzidos milhares de funks por ai quwe suas producoes sao feitas de um tamanho amadorismo e olha que vc ve varios funks desse tipo sendo veiculados nas radios, ou seja nao ha nada de complexo num estilo musical que nem e nosso, a unica coisa que existe nesse estilo sao repeticoe de letras ebatidas inacabaveis com conteudo vazio, tosco e devastador, traducao e um estilo musicalmente pobre que a maioria que produz nao tem a mininma nocao de musica ou pelo menos um pouco de teoria, posso falar isso com toda certeza pelo fato de um professor no curso de dj que fiz, ele e dj de anos, ele falou pra mi que nao e complicado fazer funk, pelo contrario, vc pega um a bateria eletronica ou sampler e faz as batidas em casa mesmo, ou seja alem de seu conteudo podre, a maioria nao tem coprometimento profissional e musical serio

  124. TheKid
    04/06/2013 às 12:14 | #230

    Dizem que tudo criado pelo homem é cultura,então um casa é uma cultura,um dvd é uma cultura,um brinco é uma cultura e etc….

  125. CLAUDIO
    04/06/2013 às 19:35 | #231

    SEM DUVIDA ESTA NOJEIRA DE FUNK É O MAIOR LIXO CULTURAL QUE PRATICAMENTE ESTÁ ACABANDO COM O BRASIL.INCITA AO SEXO E A VIOLENCIA E TEM A MULHER COMO SIMPLISMENTE OBJETO SEXUAL.DA ATÉ VONTADE DE VOMITAR ESCUTANDO FUNK!COISA DE MALOQUEIRO E GENTE MUITO BAIXA SEM CULTURA!

  126. 09/06/2013 às 23:34 | #232

    Parabéns e obrigado por manifestar e representar o pensamento e a indignação de muitas pessoas que ousam “Pensar”, considerando a razão, a possibilidade e expectativa de um povo mais educado e menos bestializado por expressões que recebem um falso valor e que preenche o imediatismo dando uma noção de falsa inclusão…e vou mais eu volto….

  127. melissa
    11/06/2013 às 1:12 | #233

    Eu concordo totalmente que funk não é música e nunca vai ser. Existem pessoas que gostam sim de funk, mas só pq muitos gostam não significa que o tranforma em música. Isso não passa de barulho. Mas tenho uma critica a fazer, muitas pessoas dizem que não gostam de funk por ter conotaçao sexual, mas os mesmos dizem gostar de samba. Mulheres desfilam nuas na avenida todo carnaval, e pra mim também as colocam na posição de mulher objeto! O mesmo ocorre com axé, que apresenta conteúdo sexual, mas não é tão mal visto como o funk. Garotas usam minusculos biquinis só para mostrar o corpo e sair desfilando nas praias e algums acham bonito, porque quando se trata do funk é tão hostilizado? O que eu vejo é grande hipocrisia, no carnaval podem sair peladas e escolas de samba já fizeram até homemagem ao kama sutra, mas quando se trata do funk, qualquer coisa já é motivo de julgamento. Eu acho que independente do contexto e da música, o culto ao corpo e conotaçao sexual são detestáveis!

  128. pink
    12/06/2013 às 8:46 | #234

    Funk é deploravel, quantas almas perecem por causa disso dentro das igrejas!!

  129. 27/06/2013 às 17:15 | #235

    concordo com o texto! funk desvaloriza a mulher.

  130. 30/06/2013 às 15:54 | #236

    SO Ñ CHAMO FUNK DE LIXO PQ LIXO E RECICLAVEL U.U

    • Bicho Grilo
      05/11/2013 às 19:40 | #237

      fank e crack, são as mesmas coisas. DROGA e tomou conta da juventude. O pior é imaginar que muitos desse jóvens um dia tomarão o poder, serão nossos médicos, advogados, professores, engenheiros e por aí vai. É realmente o FIM DOS TEMPOS. APOCALÍPSE !!

  131. gui olivera
    05/07/2013 às 17:19 | #238

    Olha ai amigo, a atenção que a midia dá à coisas como o funk, o futebol e as novelas, sem falar nas propagandas de cerveja, carros e celulares!!! De fato, estamos todos no caminho da imbecilização da musica, dos costumes, dos consumos, nem pensamos se o que estamos vendo ou ouvindo nos faz alguma diferença, pois nao pensamos, simplesmente tomamos a postura de consumir. Devemos olhar com mais atenção a MIDIA como concessao de estado e fazer com que ela tenha contrapartida em favos do povo. que diz que ouvir caetano e vila-lobos pode ser ruim…

  132. Leander Alves
    14/07/2013 às 0:07 | #239

    Parei de ler o artigo na terceira linha quando o Sr. Renato A. O. de Andrade cria uma relação entre o Funk nascido nos EUA nos anos 70 e este dos morros cariocas….tá de brincadeira né?…Não consegue ver a diferença entre o que rola hoje em dia e a música bandas como Earth Wind & Fire, Koll and Gang, Kc and Sunshine Band, Jimmy Bo Horne, James Brow entre muitos outros? De música vc não sabe nada meu caro!!!

  133. AA
    14/07/2013 às 0:56 | #240

    gente boa noite a todos!

    o funk e uma verdadeira desgraça mesmo
    fazer o que se tem um bando de filhos sem cultura nesse brasil!
    mc daleste morreu mas ainda falta uns mil pra mandar pro inferno
    ALIAS NEM O CAPETA QUER ESSAS MERDA NEH GENTE
    QUADRADINHO DE OITO?
    CAMARO E IATE?
    QUE BOSTA E ESSA? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    A GENTE NAO PRECISA TER INVEJA DE MERDA E SIM DAS PESSOAS QUE PERDEM TEMPO OUVINDO ESSAS BABOSEIRAS AIAIAIAI
    SAUDADES DO FUNK DO CLAUDINHO E BOCHECA MC DOCA ISSO SIM E FUNK

    AGORA MC DALESTE E A RENCA TODA DO CAPETA QUE NEM QUERO SABER O NOME QUE O DIABO CARREGE ALIAS NEM ELE QUER CARREGAR KKKKKKKKKKKKK

    PENA QUE NO BRASIL SO DA CADEIA PENSAO ALIMENTICIA !

    E GENTE QUEM SABE UM DIA ISSO ACABE PRA NOSSA ALEGRIA SONHAR NAO CUSTA CARO

    ALIAS QUEM CANTA ESSAS COISAS NAO PENSA EM PEGAR NUM CABO DE ENXADA,TRABALHAE SO QUEREM DINHEIRO FACIL E SUJO UM PAI DE FAMILIA MERECE CHEGAR EM CASA E VER SEUS FILHOS OUVINDO MUSICA BOA NÃO FUNK=LIXO AIAIAI E TUDO PURA ILUSAO E AINDA CANTAM ” ELA QUER MEU CAMARO E MEU IATE”’
    KKKKKKKK VAI TOMA NO MEIO DO CU! CAMBADA DE VAGABUNDO! E VCS SOUBESEM O QUANTO VALE O IPVA DE UM CAMARO E O IMPOSTO DE UM IATE VCS IAM CALAR A BOCA FILHOS DA PUTA! PORUE NAO VAO VER O QUE A PUTA DA SUA MAE TA FAZAENDO

    BOA NOITE A TODOS
    E GRITEM FUNK NAO E MUSICA E LIXO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    UM A MENOS! MORREU UM MAS AINDA TEM QUE MORRER UM MONTE

  134. Julia
    14/07/2013 às 9:50 | #241

    Na minha opinião o problema não é apenas o Funk, é o Brasil inteiro que não tem uma cultura propria! Se eu gravar um video mostrando a bunda e repetindo uma palavra por uns cinco minutos eles ja acham que é uma música!

  135. 23/07/2013 às 9:13 | #242

    Renatim, seu texto é excelente, mas você precisa saber qual é a diferença entre Funk de verdade e funk de B$s7@. O Funk de verdade fala de temas amenos e(ou) românticos e é representado por James Brown(1933-2006), Earth, Wind and Fire, Living Colour, Rick James, e atéw mesmo por artistas brasileiros como Tim Maia, Claudinho e Buchecha, Ed Motta, Gerson King Combo, Banda Black Rio, Mc Leozinho, Pepê & Neném e a banda Funk Como Le Gusta. Já o funk de B$s7@, o “Proibidão”, suja a imagem do Funk, falando de orgias(apelo sexual muito forte) e apoio direto aos traficantes, e até onde eu sei, não transmite nenhum ensinamento ético. Não consigo ver nada de interessante no funk atual, prefiro o antigo mesmo. E para reforçar o comentário de nossa colega, Julia, eu realmente concordo que há pessoas no Brasil que realmente não têm senso algum de cultura, pois há idiotas sem cérebro algum que acham que ver bunda é cultura, quando na verdade é uma coisa banal e muito ofensiva contra os preceitos éticos. E não é gosto que me faz ouvir o Rock e sim o bom senso, considerando o fato de boa parte das letras têm sentido ético e as músicas são bem feitas.

  136. 19/08/2013 às 21:31 | #243

    Vc tem uma ótima filosofia
    ganhou meu total respeito

  137. Lucas evangelista
    02/09/2013 às 22:26 | #244

    Vamos Todos para a Igreja orar por essas pessoas por que o unico que pode mudar a cabeça de quem gosta de funk, e tenta defender ainda essa coisa que nao da nem para comparar com o lixo por que o lixo ainda da para reciclar! … só Jesus Cristo para ter misericordia! apressem por que o fim dos tempos se aproxima.

  138. Anonimo
    05/09/2013 às 11:26 | #246

    o lixo se ofendeu e muito com essa comparação! lixo pode ser reciclado mas funk não serve pra b**** nenhuma!pra quem inventou enfie seu dedo naquele lugar e brinque de elevador

  139. 10/09/2013 às 15:20 | #247

    na minha opinao nao devemos criticar nem um tipo de musica e nem gosto di nimguem porque cada um tem o seu geito de ser

  140. guitarman70
    12/09/2013 às 17:49 | #248

    Desisti de sonhar com o fim desse dejeto sonoro imundo e sem uso que chamam de funk (James Brown deve estar se contorcendo no túmulo) carioca/paulista, acho mais plausível sonhar em ganhar na mega sena e sumir desse país infestado por essa “peste negra” dos séc. XXI e ir morar em algum país nórdico na Europa…

  141. pedro
    13/09/2013 às 11:41 | #249

    Pô meu, vê se isso é letra de musica: “Se enfia nessa tanga menstrual, que faz teu cú fedê, que faz teu cú fedê…” é dessa merda que os funkeros gostam, são um bando de besouro rola-bosta mesmo!!!!!!!!!!!

  142. King Cobra
    13/09/2013 às 16:07 | #250

    Como em um dos comentários mais bizarros e toscos que li acima, uma pessoa que gosta de funk carioca e música clássica, equivale a você colocar e misturar em um mesmo recipiente, 1 kg de chocolate Alpino Nestlé derretido com 1 kg de uma mistura de fezes de hiena (0,33 kg), fezes de urubu (0,33 kg), necrochorume (0,33 kg) e umas gotinhas de saliva de Dragão de Komodo para aumentar o poder infectante. Obviamente que dá para perceber quem é quem nessa analogia né? Nem tomando Vancomicina de 4 em 4 horas salva o infeliz que provar dessa mistura, a não ser que seja um funkeiro, pois já nascem imunes. Ou alguém já viu urubu morrer de infecção por comer carniça?

  143. King Cobra
    13/09/2013 às 17:34 | #251

    O que acontece quando um(a) funkeiro(a) engole um mosquito? Fica com mais neurônios no estômago do que no cérebro.

    • Rick
      15/01/2014 às 0:21 | #252

      corrigindo . . .não é nem no estômago, é nos intestinos mesmo!

  144. Chris
    28/09/2013 às 17:15 | #253

    (Estou sem acentos no teclado) Nao gosto do Funk brasileiro. Mas eh gosto, nao havendo funk seria outra coisa, Brasil ja rebolava na boquinha da garrafa muito antes do funk. Temos uma cultura a qual nao compartilhamos de ninguem, chama-se ignorancia, nao acho apropriado dizer que funk emburrece (na minha opiniao nao vai lhe ensinar nada de vocabulario, melodia, ritmo), se voce ve na televisao gente pelada rebolando traficando e dando tiro voce nao se sente obrigado a fazer isso, voce quando joga super mario sente vontade de pular nas cabecas dos outros? Seguindo essa linha, aos radicais que soh gostam de rock: Nao escutem Yer blues dos Beatles, podera desencadear uma onda de suicidios coletivo. Se voce sente vontade, o problema nao eh do filme, do jogo ou da musica, o problema eh na sua cabeca, funk/rock/lambada/classica nao matam pessoas, pessoas matam pessoas. Esse radicalismo de grande parte de voces eh uma afronta a liberdade dos outros, deixem gostar do que quiserem (tambem nao gosto de ser incomodado com musica alta no onibus, mas isso eh falta de educacao da pessoa). Pegando soh o lado ruim de outros ritmos: O samba instiga o brasileiro a ser “malandro”, viver na boemia, navalha, nao gostar de trabalhar, etc… Rock eh coisa do capeta, vagabundo, drogado (gosto de samba e de rock, nao tenho tendencias suicidas nem me considero “malandro”).
    Um post muito bom de Renato Andrade, uma pena que a maioria utilize de raivas e rancores pessoais para comentar (voces leram com atencao mesmo?), abram a mente, sao tao ortodoxos quanto quem voces criticam, a impressao que me da eh que poderia ser feito um carimbo para as respostas de muitos, “___eh merda/lixo/podre” onde preencheria-se a lacuna da maneira que lhe convir.
    Outra coisa, vejo muita gente apoiar rock e escrever tao errado quanto quem apoia funk, alguem aqui comentou que formou-se em letras, creio que existe o que chamam de “linguagem virtual”, o primordial eh a efetivar comunicacao, apesar de preferir a linguaguem mais rebuscada, consigo respeitar quem nao prefira/consiga.
    Estou aberto a correcoes e mudancas de opiniao, estejam voce tambem, dessa forma ha o dialogo, senao eh soh vcs usarem o carimbo pra qualquer coisa…

    • King Cobra
      03/10/2013 às 9:28 | #254

      Pois é Chris, não respeito o funk por que os funkeiros não me respeitam, ouvindo essa merda/lixo/podre (para mim e é isso mesmo que é, o carimbo serve com certeza, a não ser que você seja um funkeiro, pois como falei acima, alguém já viu urubu morrer de infecção por comer carniça?), a própria música não é digna de respeito, pois se você analisar, tenho certeza que muito menos pessoas louvam o capeta, se suicidam ou se drogam por causa do rock do que entram para o tráfico, o roubo e a putaria sem noção e indiscriminada por causa do funk. Você não sabe o inferno que eu passo nos coletivos e na minha própria casa, chegando ao ponto desses vermes colocarem essa desgraça na maior das alturas em carros, festas juninas, etc., até tarde da noite, sendo que muitas vezes nem fim de semana não é e eu tendo que acordar no outro dia 05:30 para trabalhar. Entenda que não tem como não levar essa raiva “ortodoxa” e “extremista” para o lado pessoal quando você odeia funk e mora em um bairro e cidade infestados por essa praga! Outra coisa, entender ao pé da letra que funk emburrece as pessoas é tanta burrice quanto, pois é lógico que as pessoas burras é que gostam do funk, esse gosto estragado delas é só um reflexo da burrice e da falta de cultura e educação das mesmas, se elas tivessem nascido na primeira metade dos anos 80 elas iriam gostar de boquinha da garrafa e outros lixos da época, que diga-se de passagem, é até que “limpo” comparado com essa imundície de funk. Não que eu duvide que alguém com educação e cultura goste de funk, mas isso é a exceção à regra, assim como dificilmente alguém vai encontrar um funkeiro cursando Astronomia ou Composição e Regência. Não discuto o direito dos funkeiros de ouvirem o que quiserem, contanto que ouvissem essa porcaria deles só para eles, tenho certeza que seriam muito menos discriminados, mas resumindo, o direito deles de serem respeitados termina quando eles (e é a maioria dos funkeiros, pois são encrenqueiros e querem “aparecer” mesmo) ultrapassam o direito dos outros que, como eu, não querem ter seus ouvidos entupidos de merda. Essa é apenas minha opinião pessoal Chris, mas respeito a sua e, assim como você não vai mudar a minha, não tenho o mínimo interesse de mudar a sua.

      • Izuna
        04/10/2013 às 0:20 | #255

        Compartilho integralmente de sua opinião, King Cobra. Ninguém entendeu ainda que não cabe nem mesmo a comparação com outros gêneros populares que sofreram preconceito. Todos eles, seja rock ou samba, se provaram e se sustentaram exatamente porque não precisam agredir, incomodar, provocar ou invadir a privacidade e o direito alheio para demonstrarem suas propostas e terem seu público.

        Caro Chris, todas as incoerências, imprecisões, alusões, referências, metáforas, mensagens subliminares ou “transgressões” de outros gêneros populares que porventura foram mal recebidos ou interpretados pela sociedade são “fichinha”, brincadeira de criança perto da explicitude diarreica que o funk faz.

        Quanto ao fato de ser péssimo, pobre e irritante de ouvir, seria perfeitamente aceitável se seus adeptos simplesmente respeitassem as pessoas, mas a coisa é muito, muito pior do que parece e a maioria, inclusive a grande mídia, finge que não vê. O funk se coloca não só como música ruim, mas se estende também ao comportamento e atitudes desses indivíduos, sendo o grande canal motivador e “justificador” da cultura da provocação, da ostentação e da violência. O vínculo com a criminalidade é evidente e o incentivo e a apologia ao que é ilícito e criminoso existem na forma de um movimento social que se diz “inocente”, mas que é perverso e nocivo. Ou alguém aí acha que numa sociedade como a nossa, historicamente marcada pela desigualdade e injustiça social, seja benéfico que jovens sejam praticamente obrigados a, desde cedo, possuir, ostentar, provocar, agredir, prostituir, tripudiar e vandalizar, sob pena de não serem aceitos ou notados entre outros do seu grupo?

        Onde já se viu? Vi e ouvi, recentemente, ali ao lado do Makenzie, na Rua Cesário Mota Júnior, a playboizada se acabando de beber ao som [altíssimo] de “desce com a língua lambendo meu p…”, isso pra citar um pequeno exemplo. Sem contar a desgraça massacrante e repetitiva do “tchu tchá” ao fundo, acompanhando todas as “composições”. Trata-se só e apenas de ser notado o tempo todo a qualquer custo. E a forma mais eficiente de alcançar tal coisa é incomodar, ofender e agredir o outro, claro.

        Pega toda essa molecada parada aí nas esquinas das periferias, olha o estereótipo deles, o dialeto, os óculos escuros que não tiram nem à noite porque não conseguem andar de cara limpa, como pessoas honestas [é mais fácil de intimidar assim, sem mostrar os olhos ou pra onde se está olhando]. Compare o modo de pensar entre eles, que chamam todo mundo de “jão” e “tio”, uns treco de “tá ligado”, “parça”, “corre” toda hora na boca, não sabem falar outra coisa, quanto mais raciocinar. Você vai perceber que muito do que falam, vestem e fazem está relacionado a esse grande movimento “vida loka” de merda.

        Olha a FALÁCIA: Agora, o pobre, que sempre criticou o “sistema”, de uma hora pra outra “descobriu” que o legal é ser “vida loka” porque não precisa trabalhar, pega as “novinha”, anda nos pano, tem carro, moto, joias… Absurdamente descobriu de uma hora pra outra que pode até esbanjar riqueza dentro do sistema que sempre criticou. Mas ainda é pouco, o negócio agora é “ostentar”… Esfregar na cara do outro o que tem, isso numa sociedade marcada por má distribuição de renda. Adivinhem no que isso dá: dentistas ou bandidos? Professores ou traficantes? Engenheiros ou assaltantes? Fazem questão de ridicularizar o trabalho honesto e chamar quem anda direito de “vacilão”, “arrombado”, assim, sem conhecer mesmo. Aí, nas letras, colocam: “sou filho da revolta, mente criminosa” Só uma coisa a dizer: FALÁCIA. É assim que vejo isso, uma hipocrisia, uma ilusão, uma derrota moral e uma contradição enorme: “ah, como é bom sê vida loka, mas eu sô injustiçado”.

        Teve um conhecido meu que teve sua moto roubada na porta de casa por um grupinho que ele conhecia de vista aqui do bairro. Estava pagando ainda. Depois chegaram nele e disseram: “Aê, vacilão… a gente tá ligado que cê dá um trampo, né… mas foi só pra atrasá seu lado.” Viu só? Isso é argumento [e dialeto] de vagabundo que, por uma coincidência ou não, adora funk em sua maioria ou totalidade.

        Agora pensem na que sociedade estamos criando, olhem essa juventude abraçando e indo atrás disso que nem gado, e com o devido apoio da grande mídia. É claro que a sociedade está sempre em constante transformação, seja por causa da tecnologia, da globalização ou de avanços sociais e ideológicos, mas há que se tomar muito cuidado quando assistimos ao completo esvaziamento de valores e conceitos essenciais que lutamos tanto pra conquistar, como a civilidade, o respeito e a igualdade.

        Não é só o barulho, não é só o nível do volume, não é só o desrespeito. É uma gama de comportamentos visíveis nos palavrões, xingamentos, apologias, dialetos, ameaças e gemidos nojentos que são vociferados aos berros nessas… manifestações sonoras. É a atitude agressiva e desrespeitosa de quem invade o espaço, o ouvido e o direito alheio para impor e enfiar “goela abaixo” suas vaidades e futilidades. É no mínimo curioso que a grande maioria das ocorrências referentes à “perturbação do sossego”, por assim dizer, envolva indivíduos que ouvem “funk” (em volume alto ou no nível máximo, sem o uso de fones de ouvidos) no interior de ônibus, estabelecimentos comerciais, órgãos públicos de serviço à população, vias públicas, automóveis (com ou sem caixas acústicas no porta-malas), residências (com as caixas acústicas direcionadas para a rua), etc.

        É poluição sonora constante durante todo o dia, pois há no comportamento desses indivíduos a necessidade constante de ostentar, incomodar e agredir a paz e a dignidade alheia por meio dessa prática. Não faz sentido nenhum para esses indivíduos respeitar o “direito alheio de não querer ouvir”, pois o objetivo primordial por trás da “brincadeira do funk” é a vaidade distorcida do status, da ostentação, promiscuidade, transgressão e notoriedade por intimidação, os quais necessitam da reprovação, incômodo e sofrimento alheio para serem alcançados.

        Ninguém entendeu ainda que não se trata de uma manifestação cultural como tantas outras, que respeita os grupos alheios, as mulheres, as crianças, e requer o mínimo de desenvolvimento intelectual e civilidade. Nota-se, pelo conteúdo da expressão e pela forma compulsória e agressiva como a manifestação físico-sonora se dá, evidente eminente interesse em fazer com que todos ouçam, a qualquer hora do dia ou da noite, agressões gratuitas à sua dignidade, honra, valores e, principalmente, ao direito que cada pessoa tem de “não querer ouvir”.

        Absolutamente ninguém pode ser obrigado a ouvir, involuntária ou deliberadamente, de dentro de sua própria casa, gritarias, gemidos, ameaças, xingamentos de toda ordem, batidas e barulhos estridentes e graves, acompanhados de efeitos sonoros irritantes e expressões repetidas à exaustão, por longas horas do dia e da noite. A ordem pública, o respeito e a civilidade entre as pessoas são bens da sociedade que não podem sucumbir à força de nenhuma vontade unilateral nociva. A arte, a diversidade e a democracia são ideais de uma sociedade livre, pacífica e desenvolvida, que pode [e deve] se expressar livremente e evoluir sem a necessidade do conflito, do desrespeito ao direito do próximo e da violência. Paz a todos.

        Um paulistano.

  145. Pietra
    02/10/2013 às 23:32 | #256

    Já perdi as esperanças.O povo brasileiro não tem mais jeito, e ainda sentem orgulho de ser ignorantes.

  146. Pietra
    02/10/2013 às 23:34 | #257

    quem gosta de funk, não tem cultura

  147. King Cobra
    07/10/2013 às 9:19 | #258

    Não adianta quererem ficar dando uma de bom moço falando: Não gosto de funk, mas não é certo atacar o gosto dos outros, bla, blá, blá…” essa praga é lixo socialmente tóxico, que esses imbecis, na sua maioria baderneiros e marginais, nos empurram forçadamente ouvido adentro, então NÃO tem que haver respeito droga nenhuma, enquanto eles não nos respeitarem. Esses funkeiros são um bando de vermes hipócritas mesmo, depois dessa onde de matança de mc’s de funk, vieram com essa campanha que não engana nem criança: “O funk pede paz”. É, pede paz fazendo apologia às drogas, ao crime, a putaria indiscriminada, e a todo o tipo de comportamento torpe! Vá a PQP, plantam carniça e querem colher o que? Flores?

  148. Lenon
    16/10/2013 às 1:42 | #259

    kkkkk engraçado mesmo são os funkeiros que vão defender o funk, escrevem tudo errado (possivelmente porque não passaram da 4ª série né) e acabam banalizando ele: “Pow funk é vida sim se quiser transar é só ir no baile funk aproveita a vida” só pra rir mesmo.
    Concordo com o seu texto rapaz, você disse tudo e mais um pouco.
    Sou amante de Rock, isso sim é música !
    Agora funk é porcaria para, aquilo não tem melodia é sempre o mesmo “tchu tcha tcha tchu tchu tcha” de sempre que porcaria!
    Isso é uma vergonha pro Brasil, e o Brasil ainda quer agradar seu povo… agradar como? Banalizando mais ainda isso que eles chamam de cultura?
    Desmoralizando a mulher brasileira, que hoje em dia é reconhecida pelo seu corpo e não pela sua personalidade…?
    é por isso que o nosso Brasil não vai pra frente, o funk cresce cada vez mais
    sempre que vejo aqueles pivetes andando de bicicleta com aquelas merdas de caixinhas de som tocando funk da vontade mete bicuda naquelas caixinhas ! rs
    Bom é isso cara, parabens pelo texto!

    Um abraço a todos os NÃO-FUNKEIROS daqui :)

  149. Diego Reis
    31/10/2013 às 11:05 | #260

    Concordo em todos os sentidos, com o seu texto. Acho que devemos fazer mais por nossa crianças, adolescentes. Você que Pai, Tio, Irmão, e gosta de seu ente querido fala sobre esse texto pra ele. Infelizmente quando temos filhos(Homens) achamos normal. Engano puro o funk mostra ele que droga não e tão ruim, bandidagem ou seja dinheiro fácil e bom. temos que acorda BRASIL. FUNK E LIXO

  150. 05/11/2013 às 21:31 | #261

    vcs sao um bando de sem noçao nem sabem dizer o q e correto e q nao e

  151. aelcio evangelista da silva
    08/12/2013 às 13:19 | #262

    pesquise entre musicos que estao aprendendo e ja formados em musica e tambem os renomados.. nossa!! todos vao falar de musica naum essa porcaria , essa poluiçao sonora

  152. ????
    11/12/2013 às 11:10 | #263

    Eu acho que funk não é lixo, pois lixo pode ser reciclado e funk não serve para nada

  153. Raphael
    14/12/2013 às 9:31 | #264

    se funk é cultura como dizem, eu faço cultura todo dia de manhã no banheiro kkkkkk

  154. bruno rian
    18/12/2013 às 0:47 | #265

    funk é a reproduçao sonora dos peidos de Lúcifer….. nada mais a declarar!!
    O verdadeiro Funk(y) os funkeiros sao tao burros que esqueceram de colocar o ”Y” de Funky o verdadeiro funky como Red Hot Chili Pepper ,algumas musicas sao funky que é uma musica com um ”realçe” de bateria e baixo e uma musica mais calma (EX. Californication) pesquise éssa musica que voce sabera doque estou falando tirei isso desse video!! link: assistaam e verao nao é atoa que o nome do canal é (Funk(Y)blackcat) assistam que vcs saberao (heavy metal domina!!!!!!)

  155. Rick
    14/01/2014 às 23:38 | #267

    VAZA DAQUI COM SUA OPINIÃO

    • Rick
      14/01/2014 às 23:39 | #268

      CORRIGINDO, ESSA RESPOSTA NÃO ERA PRA TI, PARECE ERRO DO SISTEMA

  156. 04/02/2014 às 10:17 | #269

    Funk e controle! A uma grande hipocrisia no Brasil, onde o que a elite escuta é chamado de musica popular brasileira.Já o que a mídia faz é empurra a chamado de musica das massa para o cidadão comum. Arrancam a força a dignidade e o respeito das classe mais pobres criando jovens que não sabem o minimo de respeito e cidadania, mas quando uma grande massa invade seus espaços (os rolõezinhos), ai não pode, ai não dá. Em quanto não se mudar este ciclo vicioso em que nossa elite acha que educação e cultura é só para eles este problemas continuarão e até piorão.

  157. 04/02/2014 às 17:01 | #270

    O funk é uma possibilidade de existência pública para alguns sujeitos, pois é uma forma de identidade, lazer e interação para jovens de periferia. O funk carioca é parte da cultura da diáspora africana que tem a música como um dos seus principais capitais culturais. O funk carioca é um rap (ritmo e poesia) resultante de um intenso processo de apropriação, transformação, nacionalização e comodificação da cultura hip hop: um dos principais movimentos estético-musicais da juventude diaspórica. QUERIDO PESQUISE UM POUQUINHO ANTES DE SAIR ARROTANDO (PRÉ) CONCEITOS E DESINFORMAÇÕES.

    • King Cobra
      21/02/2014 às 8:40 | #271

      Só sendo um sonífero mesmo para defender uma imundície dessas!! Acorda babaca, não estamos arrotando preconceitos, estamos VOMITANDO REVOLTA contra o comportamento dos idiotas que gostam desse chorume cultural que infecta o Brasil, e não pelo lixo sonoro em sí, não que eu não odeie essa m*rda, mas teoricamente, se eu não quiser ouvir, simplesmente não ouço (não é por que 10 milhões de anencéfalos gostam que sou obrigado a ouvir com eles), mas na prática infelizmente não é assim, já estou cansado de repetir que o problema não é o gosto putrefato deles por essa porcaria, e sim o fato DE ELES QUEREREM QUE TODO MUNDO OUÇA ESSA LATRINA SONORA COM ELES!!!! Ou você estava dormindo com seu sonífero e nunca ouviu falar de celular alto tocando esse lixo nos coletivos, ou em festas no meio da semana que vão madrugada adentro, entupindo os dutos auditivos de TODOS NA VIZINHANÇA com fezes e impedindo quem tem que acordar cedo para trabalhar de dormir, ou de carros com o porta-malas aberto com 4 falantes de 12 polegadas bombardeando praticamente um bairro todo com essa b*sta, sem contar no tipo de pessoa dessa laia, na maioria absoluta vagabundo(a)s e bandido(a)s, e nas “lindas” mensagens passadas nas letras, sobre todo o tipo de p*taria (que faria até o Marques de Sade corar), e apologia a bandidagem, vagabundagem e todo o tipo de futilidade e porcaria!! Não adianta tentar explicar com pompa e linguagem rebuscada a origem desse estrume sonoro, pois gás sulfídrico, hidrogênio fosforado e amônia também são nomes pomposos, mas são na verdades os gases fétidos exalados de corpos em decomposição.

  1. 18/02/2012 às 21:44 | #1
  2. 19/08/2013 às 19:56 | #2

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: